Fotografia: Mafalda Ferreira de Lima

A salamandra de fogo que Mafalda Ferreira de Lima encontrou

Correspondente

A correspondente da Wilder descobriu mais um pequeno tesouro na sua quinta. Aqui fica registada a linda salamandra que encontrou debaixo da mesa do jardim.

Quando levantámos o plástico da mesa de jardim, para colocarmos umas protecções nos pés que estavam a apodrecer devido à humidade, reparámos que a mesa estava a ser utilizada e a humidade retida pelo plástico, muito bem aproveitada… por uma bela salamandra de fogo.

Ilustração: Mafalda Ferreira de Lima

Ilustração: Mafalda Ferreira de Lima

A salamandra-comum (Salamandra salamandra)  é um anfíbio com cauda. O seu tamanho em adulto ronda os 18 centímetros e em estado selvagem pode chegar a viver até aos 20 anos de idade. A sua dieta consiste em insectos, minhocas, lesmas, aranhas, miriópodes e outros.

Os hábitos destes fantásticos animais são essencialmente nocturnos por gostarem de um ambiente com humidade elevada e temperaturas que não ultrapassem os 15 graus. Saem de seus esconderijos subterrâneos apenas quando cai a noite para se alimentarem, assim como durante a época de acasalamento na Primavera.

Fotografia: Mafalda Ferreira de Lima

Fotografia: Mafalda Ferreira de Lima

Durante o Verão entram em letargia e enterram-se no solo, e como já pude verificar anteriormente, gostam de ficar subterradas mesmo por debaixo dos sobreiros, onde o solo é mais húmido e fresco.

Nestes meses de Inverno é mais provável encontrá-las, embora seja de facto, muito raro conseguir vê-las.

Ilustração: Mafalda Ferreira de Lima

Ilustração: Mafalda Ferreira de Lima

O nome salamandra de fogo advém talvez da sua coloração e do facto de ter sido considerada pela mitologia grega um ser mítico originário do fogo, capaz de viver nas chamas, resistir a queimaduras e ainda apagar fogos. Crê-se que este mito surgiu por serem muitas vezes observadas salamandras a fugir por entre as chamas das fogueiras, uma vez que escolhem abrigar-se no meio das pilhas de lenha ou mesmo dentro de troncos ocos húmidos. Assim que sentem a temperatura aumentar escapam para salvar as suas vidas, antes de serem consumidas pelas chamas.

Curiosidade: as salamandras de fogo, retornam à mesma zona de acasalamento ano após ano, seguindo sempre o mesmo caminho.

Leia o blogue da Mafalda.

Siga os correspondentes da Wilder, entusiastas que exploram e registam a vida selvagem à sua porta.