Não queremos acabar o ano sem lhe falar destes cinco livros

A não perder

Pela primeira vez, a lista de livros Wilder é inteiramente escrita em Português. Livros sobre aves, baleias, pinguins e pessoas empreendedoras são excelentes sugestões para este final de ano.

 

AVES DE PORTUGAL CONTINENTAL

Vários autores

Mindaffair

Data de publicação: 15 de Dezembro

Preço: 28 euros (mais portes de envio)

 

Este é um livro de fotografia fruto da iniciativa de um grupo de cidadãos que se juntou no grupo Aves de Portugal Continental no Facebook. Hoje com cerca de 13.000 membros, o grupo quer ajudar a divulgar o fascínio pelas aves. No livro, com 132 páginas, estão 273 espécies que podemos observar em Portugal. Para cada espécie há uma fotografia e uma legenda que explica mais sobre a ave. Para fazer este livro, que ambiciona ser um guia para quem se está a iniciar na observação e fotografia de aves, participaram 65 membros do grupo.

Leia aqui mais sobre este livro.

 

 

LEVIATÃ – EM BUSCA DOS GIGANTES DO MAR

Por Philip Hoare

Cavalo de Ferro

Data de publicação: início de Dezembro

Preço: 23 euros

 

Este livro, publicado pela primeira vez em 2008, surge agora traduzido em Português pela Cavalo de Ferro. Nele, o autor inglês Philip Hoare, 67 anos, escreve sobre a relação entre os seres humanos e as baleias ao longo dos séculos, procurando a verdadeira natureza destes gigantes e as razões pelas quais nos fascinam. Hoare, que desde criança teve um fascínio pelas baleias, traz relatos históricos, expedições científicas e comerciais, páginas de literatura – onde “Moby Dick” (1851), de Herman Melville, não é esquecido -, viagens e experiências pessoais, para contar a história do maior mamífero de todos.

De tal forma a obra fez caminho que em 2009 ganhou o prémio BBC Samuel Johnson para melhor livro de ensaio (cinco anos depois, em 2014, este galardão voltaria a ser entregue a um livro de escrita de natureza, a “A de Açor”, de Helen Macdonald).

Já depois de Leviatã, Hoare publicou “The Sea Inside”, em 2013.

 

 

AS LIÇÕES DO PINGUIM – UMA HISTÓRIA REAL

Por Tom Michell

Asa

Data de publicação: 2015

Preço: 15,99 euros

 

O inglês Tom Michell parte para a Argentina para dar aulas num colégio. Um dia, num passeio à beira-mar, depara-se com o areal coberto de cadáveres de pinguins, vítimas de um derrame de petróleo. Mas há um pinguim que insiste em sobreviver. Mitchell leva-o para casa, trata dele e, na hora de o devolver ao mar, o pinguim recusa-se a deixá-lo e “adopta” Tom. Esta é, então, a história de Juan Alvador Pinguino e de como este animal mudou a vida de muitos.

 

 

EMPREENDEDORES POR NATUREZA

Por Paulo Caetano e Joaquim Pedro Ferreira

Editorial Bizâncio

Data de publicação: Novembro de 2015

Preço: 27,5 euros

 

Este é um livro que pretende mostrar de que forma a economia local é essencial para conservar a biodiversidade. Os autores compilaram projectos associativos e empresariais que apostam no aproveitamento sustentável do mundo natural. Através dos textos de Paulo Caetano e das fotografias de Joaquim Pedro Ferreira, podemos conhecer alguns destes empreendedores amigos da natureza.

 

 

A DE AÇOR

De Helen Macdonald

Lua de Papel

Data de publicação: Novembro de 2015

Preço: 16,50 euros

Esta é a publicação em língua Portuguesa do livro H is for Hawk, publicado originalmente em Julho de 2014. A morte repentina do pai foi o acontecimento que fez com que Helen MacDonald decidisse seguir o seu sonho de criança e dedicar-se às aves, especialmente à falcoaria. Depressa ficou obcecada com a ideia de treinar o seu próprio açor. A história desta escritora valeu-lhe, em Novembro de 2014, o primeiro lugar nos Prémios Samuel Johnson para Ensaios. E o prémio Costa Book of The Year 2014.

O livro, que alguns dizem poder tornar-se num clássico da escrita naturalista, é um testemunho da luta da escritora para sobreviver ao desgosto da morte do pai e para conseguir treinar uma ave tão selvagem.

Segundo Claire Tomalin, presidente do júri dos prémios, Helen MacDonald “escreveu um livro único sobre uma obsessão por uma criatura selvagem”, com uma prosa “por vezes técnica e sempre fascinante”.