Uma equipa internacional de investigadores criou a maior biblioteca de sons emitidos por morcegos, no México. Além de possibilitar a identificação automática de 59 espécies pelos seus chamamentos, esta nova ferramenta ajuda a perceber melhor alterações na biodiversidade em geral.

 

O México alberga 130 espécies de morcegos, o que é considerado um número muito significativo. Por exemplo, Portugal tem 27 e a Grã-Bretanha, 17. No entanto, o México tem uma das mais elevadas taxas de extinção e de perda de habitat.

Muitas regiões ainda não foram estudadas e foi precisamente para aí que uma equipa internacional de investigadores – coordenados por cientistas da UCL, universidade pública em Londres, Universidade de Cambridge e pela Zoological Society of London (ZSL) – decidiu viajar, equipada com aparelhos de captação de sons.

Para o estudo, publicado hoje na revista Methods in Ecology and Evolution, os investigadores visitaram algumas das zonas mais perigosas do México – como os desertos ou as florestas tropicais -, e recolheram um total de 4.685 chamamentos de 1.378 morcegos de 59 espécies. Com estes sons criaram uma biblioteca de sons que abrange todas as famílias de morcegos do México e cerca de metade das espécies do país.

Além da biblioteca de referência de sons de morcegos, a equipa desenvolveu uma nova forma de classificar esses sons, através de um software que cruzou algoritmos com dados sobre cada espécie. O objectivo é conseguir identificar rapidamente as diferentes espécies.

Os investigadores dizem que o método pode ser usado para monitorizar as alterações na biodiversidade e completar informação sobre a distribuição das espécies de morcegos em regiões remotas e pouco estudadas do México. Também poderá ser usado em outras zonas da América Central e do Sul, Caraíbas e Florida.

“Os censos através dos sons estão a ser cada vez mais usados para monitorizar as alterações da biodiversidade”, disse em comunicado a cientista que coordenou o estudo, Veronica Zamora-Gutierrez, da UCL e da Universidade de Cambridge. “Os morcegos são especialmente úteis porque são espécies indicadoras, contribuindo de forma significativa para o equilíbrio dos ecossistemas como polinizadores, dispersores de sementes e supressores de populações de insectos”, acrescentou.

“Ao identificar e estudar os sons que usam para explorar o meio envolvente, podemos caracterizar as comunidades de morcegos em diferentes regiões a longo prazo e aferir do impacto das alterações ambientais”, concluiu.

Mas o trabalho desta equipa ainda agora começou. Os investigadores já estão a planear melhorar o software e querem criar um programa de monitorização com base na ciência cidadã (citizen science).

 

Saiba mais.

Ouça aqui o som de morcegos a caçar insectos numa noite de Verão, na cidade de Lisboa.

Descubra sete coisas fascinantes sobre morcegos.

Sabia que Portugal tem um Arquivo Nacional de Sons da natureza?