Foto: Megan Cimino/University of Delaware

Colónias de pinguins-de-adélia poderão cair 60%

Ciência

Investigadores da Universidade de Delaware (EUA) estimam que, até 2060, 30% das colónias de pinguins-de-adélia da Antártida estejam em declínio e, que até 2099, a percentagem duplique.

 

O final do século XXI não será promissor para os pinguins-de-adélia (Pygoscelis adeliae), alerta o estudo publicado agora na revista Scientific Reports e financiado pelo programa de biodiversidade da NASA. A pós-doutorada que liderou a investigação, Megan Cimino, afirma que só recentemente tomaram conhecimento que o declínio da população de pinguins-de-adélia está relacionado com o aumento das temperaturas, pois muitas regiões da Antártida aqueceram demasiado, acabando por prejudicar a espécie.

A investigação partiu de outro estudo anterior que já tentara compreender melhor as alterações dos ecossistemas da Antártida, examinando os pinguins e os seus habitats. Neste caso, os investigadores da Universidade de Delaware apostaram na operacionalização de avançadas técnicas de localização, via satélite, e em projeções de modelos climáticos globais, para aprimorar a contabilização das populações e melhor ponderar a sua evolução.

 

Foto: Megan Cimino/University of Delaware

Foto: Megan Cimino/University of Delaware

 

Graças às observações via satélite entre 1981 e 2010, os cientistas estudaram as condições climáticas completamente novas ou invulgares que se registaram durante o crescimento das crias. Munidos de vários modelos climáticos globais, os investigadores fizeram previsões para 2011-2099, de acordo com as tendências que se têm vindo a verificar.

Tendo em conta que a reprodução dos pinguins-de-adélia se estende por toda a Antártida, o objetivo consiste em tentar compreender como as alterações climáticas afetam presente e futuramente os pinguins-adélia.

Embora ainda existam áreas em que as condições climáticas sejam estáveis ou o arrefecimento constante/crescente, a grande preocupação reside na região oeste do continente gelado. O denominado West Antarctic Peninsula (WAP) é um das regiões mais problemáticas no que respeita à subida das temperaturas e consequente declínio das populações desta espécie de pinguins.