Rombophryne ornata. Foto: Miguel Vences

Descobertas duas novas espécies de rãs na montanha mais alta de Madagáscar

Ciência

Uma expedição científica encontrou duas novas espécies de rãs para a Ciência nas florestas da montanha mais alta de Madagáscar.

 

Em 2010, cientistas alemães e espanhóis aventuraram-se pela floresta tropical de muito difícil acesso de Tsaratanana, no Norte de Madagáscar. “Estas montanhas albergam um grande número de espécies nativas e só muito raramente são visitadas por investigadores, uma vez que não existem estradas e quase nenhuns caminhos”, contou David Vieites, um dos autores do estudo e cientista no Museu Nacional de Ciências Naturais de Madrid, à agência SINC.

No estudo, publicado agora na revista Herpetologica, os investigadores dão conta de novas espécies de rãs: Rombophryne ornata e Rombophryne tany.

 

 

“Ambas as espécies vivem no chão da floresta, entre as folhas caídas, e são muito difíceis de observar”, acrescentou David Vieites. A Rombophryne ornata é avermelhada e tem uma marca preta entre os olhos e no dorso. A Rombophryne tany é mais acastanhada.

Para identificar as espécies, os investigadores realizaram análises genéticas, morfológicas e estudaram os sons emitidos pelas rãs.

David Vieites lembrou a “grande diversidade de animais em regiões tropicais que ainda estão por descrever”. E há uma urgência em fazê-lo, porque a desflorestação ameaça fazer desaparecer muitas espécies naquela região. Mas estas duas espécies estão “protegidas” pelos difíceis acessos. “Esperemos que esta área continue virgem por muito tempo.”

 

Saiba mais.

Conheça aqui o trabalho do investigador português Gonçalo M. Rosa com os anfíbios de Madagáscar, em especial sobre o fungo que pode pôr em risco populações inteiras destes animais.