Foto: Joana Bourgard / Wilder

Fogo: o que mudou no solo e o que devemos fazer para o recuperar

Incêndios

Maria Amélia Martins-Loução, presidente da Sociedade Portuguesa de Ecologia (SPECO), explica o que mudou no solo depois destes incêndios e sugere o que podemos fazer para o ajudar a recuperar.

 

O solo é um ecossistema complexo e muito rico, com as suas bactérias e fungos e micro invertebrados, com delicadas composições químicas e cadeias tróficas. É a base de sustentabilidade da vida no planeta. Tem de passar a ser olhado com mais cuidado e respeito por todos. Sociedade em geral e investigadores em particular.

Após um fogo intenso como o que assolou o centro do país destes últimos quatro meses, o solo fica “diferente”. Muda a disponibilidade de nutrientes, a estrutura e a diversidade de espécies que dele dependem.

A intensidade do fogo é, normalmente, o factor mais crítico que afecta a dinâmica dos nutrientes no solo. Por exemplo, o azoto é facilmente volatilizado durante todo o processo de queima intensa. Pelo contrário, o fósforo aumenta em quantidade disponível. As cinzas são geralmente muito ricas neste nutriente facilitando a sua disponibilidade no pós-fogo.

A complexidade das alterações ao nível da química do solo é bastante elevada mas, de modo geral, pode dizer-se que o fogo reduz a matéria orgânica disponível. Ainda assim pode aumentar a taxa de renovação dos nutrientes e a sua distribuição ao longo do perfil dos solos, em zonas onde a intensidade não tenha sido tão elevada.

Importa perceber que um incêndio com as proporções que tivemos, apesar de nos parecer uniforme ao nível da parte aérea, é muito heterogéneo ao nível do solo, criando-se um mosaico de condições que é explorado de formas diferentes pelos “habitantes” resistentes desse ecossistema.

A física do solo fica também bastante afectada devido à perda de matéria orgânica. Uma vez que é a matéria orgânica que cria os agregados que retêm a areia, o limo e a argila, a sua perda altera a estrutura do solo. Nestas circunstâncias, a densidade do solo pode aumentar ao mesmo tempo que diminui a sua porosidade e por isso a capacidade de absorver água. Claro que a porosidade é ainda mais reduzida devido à perda da macro e micro-fauna que criam canais e espaços ao nível do perfil do solo. A acumulação de cinza à superfície, que funciona como uma matéria impermeável, cria condições para impedir a infiltração da água e assim diminuir a capacidade de retenção da água ao nível do solo.

O fogo provoca uma elevada redução da biodiversidade do solo. Os micro e macro invertebrados serão os primeiros a desaparecer porque ou são queimados ou, ficando sem habitat, são os primeiros a desaparecer. A diversidade de microflora – em termos de número de bacterias e fungos – diminui, embora a diversidade funcional possa manter-se elevada permitindo um aumento dos processos de reciclagem de nutrientes e o restabelecimento da estrutura do solo e a disponibilidade de matéria orgânica.

No caso das plantas, toda a parte aérea se queima mas fica um banco de sementes disponível para germinar logo que as primeiras chuvas surjam. Esse banco de sementes poderia ser muito útil para cobrir rapidamente o solo se na sua maioria não fossem invasoras que, de forma oportuna, tiram partido das condições menos favoráveis a outras espécies.

Se as plantas nativas fossem carvalhos ou outras mediterrânicas o rebrote seria fácil e praticamente imediato. No caso em questão, o pinhal e o eucaliptal podem manter um banco de sementes de plantas autóctones e, nessas condições, com as temperaturas medianas desde Outono, a explosão após as primeiras noites húmidas ou de chuva pode permitir a ocupação imediata do solo criando condições heterogéneas que evitam a erosão. Pior será a zona de acacial. As acácias irão surgir com mais vitalidade e de uma forma incontrolável.

 

O que podemos fazer para evitar a erosão

Então, o que se pode fazer para evitar a erosão que geralmente ocorre em zonas declivosas? Esta erosão pode ser provocada pela água ou pelo vento, arrastando cinzas e galhos para as águas e provocando fortes poluições. Este é uma consequência de risco que já foi sentida em Pedrógão Grande e que a todo o custo se deve evitar, para salvaguarda da saúde primária e da segurança das populações.

Criar barreiras com os troncos que ficaram poderá ser uma solução mas é necessário que fiquem bem seguros. Não devem ser cortados para o efeito. Em sítios declivosos e na confluência de aldeias ou estradas, os troncos podem constituir armas de arremesso.

Espalhar a caruma pode facilitar a solução embora possa levar a uma maior acidificação do solo, já de si pobre devido à monocultura de pinheiro. Não tem tanto problema se fosse folhada de eucalipto embora pudesse prevenir a germinação de algumas plantas mais sensíveis à libertação de compostos voláteis por parte da folhada de eucalipto.

Deve-se evitar cortar, cavar, remexer as zonas ardidas, para que o solo fragilizado seja posto a nu e sujeito a maior erosão.

Colocar palha, barreiras – sejam elas pedras, troncos ou outros -, criar heterogeneidade e descontinuidades nas áreas a descoberto deve ser a melhor solução. A palha molhada, ou mesmo seca tem sido o que tem provado os maiores benefícios em todo o mundo.

No entanto, no nosso caso, a área ardida é demasiado grande e vasta para poder haver um investimento desta natureza. Qualquer tentativa de solução seria sempre a uma pequena escala experimental e a palha a utilizar-se deveria ser local, para evitar contaminações de sementes de espécies não autóctones ou até invasoras.

Em todo o caso o investimento a ser feito quanto antes deve ser prioritariamente junto às povoações, a fim de impedir uma forte erosão já que a falta de humidade não tem sido benéfica para uma regeneração natural.

A ideia de reflorestar de imediato é um engano. O solo ainda não está preparado para ser remexido e por outro lado ainda não há uma estratégia correcta sobre que reflorestar e quanto reflorestar.