Foto: Wilder/arquivo

Vegetação e dunas da Barrinha de Esmoriz vão ser recuperadas

Conservação

O controlo de espécies exóticas invasoras, a plantação de vegetação autóctone e a aposta na sensibilização para a biodiversidade são acções previstas no plano de requalificação da Barrinha de Esmoriz/Lagoa de Paramos, nos concelhos de Ovar e Espinho, anunciado sexta-feira passada.

 

A obra de Requalificação da Barrinha de Esmoriz, lançada a 16 de Setembro numa sessão presidida pelo ministro do Ambiente João Pedro Matos Fernandes em Esmoriz, fica nas mãos da Polis Litoral Ria de Aveiro e está orçada em mais de 3,3 milhões de euros.

A Barrinha de Esmoriz é uma extensa lagoa costeira de água salobra (considerado um habitat prioritário a nível europeu), entre os concelhos de Espinho e de Ovar, que banha a cidade de Esmoriz e a aldeia de Paramos. Ao todo, são 396 hectares classificados como Rede Natura 2000 e também como Área Importante para as Aves e Biodiversidade (IBA, na sigla em inglês). Ali ocorre a campanulácea Jasione lusitanica – um endemismo ibérico dos areais do litoral Noroeste, actualmente ameaçado por causa da sua reduzida e fragmentada área de ocupação – e é um dos poucos locais onde está confirmada a presença da lampreia-de-riacho (Lampetra planeri).

Segundo um comunicado da Polis Litoral Ria de Aveiro, entre os trabalhos previstos nesta requalificação – desde o desassoreamento da barrinha/lagoa à consolidação dunar – está a requalificação das margens da Barrinha e do cordão dunar que a envolve.

Será feito um controlo de plantas exóticas, como as acácias, o chorão, a spartina (uma gramínea) e a erva-das-pampas. Também estão previstas plantações nas margens da Barrinha, para recuperar a vegetação natural, e o restauro da vegetação dunar, através do ordenamento dos acessos à praia, da colocação de painéis informativos de sensibilização aos visitantes e da instalação de uma paliçada.

Na área envolvente à barrinha/lagoa serão criados percursos pedonais e cicláveis para promover os valores naturais e a sua preservação.

“Acredito muito no projecto que está desenhado e não tenho dúvidas de que, após a obra, iremos ter ali uma importante zona de lazer e de turismo da natureza, com passadiços e postos de observação de aves”, disse o presidente da Câmara de Ovar, Salvador Malheiro, na sexta-feira, citado pelo jornal Público.

 

Saiba mais.

Conheça o projecto lançado em Março pela Sociedade Portuguesa para o Estudo da Aves (Spea), e apoiado pelo grupo japonês Toyota, para envolver os habitantes e associações locais na conservação da Barrinha de Esmoriz.