Aumenta a esperança para o primata mais raro do mundo

13 de Julho de 2015

Uma equipa coordenada pela Sociedade Zoológica de Londres descobriu uma nova família de gibões-de-hainan (Nomascus hainanus), o primata mais raro do mundo, foi agora anunciado.

 

Até ao mês passado pensava-se que existiam apenas 25 gibões-de-hainan no planeta, divididos em três grupos numa ilha ao largo da China.

Agora, uma equipa de investigadores descobriu um quarto grupo, composto por um casal e uma cria, na Reserva Natural Nacional de Bawangling, na província de Hainan. Isto aumenta a população conhecida em quase 12%. Esta descoberta aumenta o potencial reprodutivo da espécie.

“Encontrar um novo grupo de gibões-de-hainan é um aumento fantástico para a população”, disse Jessica Bryant, investigadora da Sociedade Zoológica de Londres e coordenadora da expedição. “Esperávamos encontrar, pelo menos, um ou dois gibões solitários. Mas descobrir uma família com uma cria estava para lá dos nossos sonhos.”

Em Maio, uma equipa internacional de mais de 100 cientistas, decisores políticos e líderes locais publicou um plano com o que é preciso fazer para evitar a extinção da espécie.

Os 25 animais vivem em menos de 20 quilómetros quadrados de floresta na ilha de Hainan, na China. “Esta espécie enfrenta um elevado risco de extinção devido ao seu isolamento e à reduzida dimensão da população”, escreve a Sociedade Zoológica de Londres, entidade que lidera a iniciativa. Na década de 50 do século XX existiam mais de 2000 gibões-de-hainan. Mas desde então têm vindo a desaparecer por causa da caça e destruição das florestas.