Quercus avança 4 grandes medidas para o lobo-ibérico

2 de Fevereiro de 2015

Gado, ajudas financeiras, comunicação de proximidade e conservação de habitats são os ingredientes da Quercus para melhorar as relações entre populações e os cerca de 200 a 400 lobos-ibéricos que vivem em Portugal.

A Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza emitiu nesta tarde um comunicado onde se diz preocupada com o futuro da espécie, classificada como Em Perigo no Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal (de 2005). Especialmente depois das declarações do secretário de Estado da Conservação da Natureza que terá admitido rever a legislação de protecção do lobo-ibérico, em vigor desde 1988, para que possa vir a ser considerada espécie cinegética. Estas declarações “são infelizes e despropositadas”, considera a organização. Por isso, pede ao Governo que esclareça, “rapidamente, quais são os seus verdadeiros objectivos em relação a este assunto”.

A organização propõe medidas adequadas para proteger o gado dos ataques de lobo, o pagamento de indemnizações que cubram os prejuízos e que sejam pagas mais rapidamente, uma informação adequada para combater alarmismos e a protecção do habitat do lobo.

O censo nacional mais recente ao lobo-ibérico é de 2002/2003 e, na altura, existiam no país cerca de 60 alcateias numa área total de 16.300 quilómetros quadrados. Esta distribuição era apenas 20% da distribuição original de lobo em Portugal.

Esta semana soube-se que vai começar a ser preparado um plano nacional para o lobo-ibérico.