Foto e vídeo: Marta Ribeiro

À procura da cigarra na árvore

Correspondentes

A correspondente Marta Ribeiro teve de esperar bastante tempo debaixo da árvore, à procura de ver a cigarra que fazia aquele barulho todo. Até que a descobriu.

 

Nestes dias quentes de Verão não se ouve outra coisa, noite e dia. É a cigarra que faz a festa. Hoje fui à procura delas. Apesar de o barulho denunciar a sua localização, é difícil encontrá-las. Primeiro porque se calam quando sentem a nossa presença, segundo porque são demasiado parecidas com os ramos em que pousam. Mas consegui este registo, prova superada!

Fiquei com alguma curiosidade em relação a estes bicharocos tão barulhentos e investiguei um pouco. Alimentam-se da seiva das árvores e é o macho que canta para atrair a fêmea usando um compartimento interno da barriga. O som que produzem pode chegar aos 120 decibéis, o mesmo que provoca a descolagem de um avião a jacto.

 

 

As fêmeas carregam os ovos na barriga. Assim que põem os ovos morrem. Os ovos eclodem e os pequenos rebentos caem no chão, a partir daí têm que cavar túneis para encontrar as raízes e depois subir pelas árvores. Neste processo sofrem uma metamorfose, a ecdise (processo de crescimento onde ocorre muda do exoesqueleto por um novo), tornam-se adultas e prontas para o acasalamento. E começa tudo outra vez.

Afinal não é uma vida fácil como dizia La Fontaine.

 

Leia o blogue da Marta

Siga os correspondentes da Wilder, entusiastas que exploram e registam a vida selvagem à sua porta.