Fotos e ilustrações: Mafalda Ferreira de Lima

Pica-pau-malhado-grande, o carpinteiro das florestas

Correspondentes

No montado, a presença do pica-pau-malhado-grande torna-se evidente nestas primeiras semanas de Verão. A correspondente da Wilder, Mafalda Ferreira de Lima, foi à procura desta espécie e registou-a em desenho.

 

Nestes meses de Sol, um dos habitantes mais carismáticos da quinta é sem duvida o pica-pau-malhado-grande (Dendrocopos major).

 

 

Assim que volto a ouvir um “tuc-tuc-tuc” constante vindo do montado, já sei que está de volta e vai ficar uns tempos nestas bandas! Na primavera, é comum vermos grupos com mais de dois pica-paus num frenesim de voos ondulantes por entre matas e antigos postes eléctricos de madeira. Mas assim que chega o Verão passa a ser mais comum ver apenas um ou dois indivíduos.

Já por muitas vezes tentei fotografar os pica-paus que aqui no montado se alimentam ou cortejam as suas fêmeas, mas nunca com sucesso. Tímidos e esquivos, rapidamente se apercebiam da minha presença e fugiam. Desta vez tive muita sorte e consegui finalmente “apanhar” uma fêmea (distingue-se do macho pela ausência da mancha encarnada na nuca) seguida pelo seu afoito parceiro que, infelizmente, não consegui fotografar.

 

 

O pica-pau-malhado-grande é uma espécie residente em Portugal. Identifica-se pela sua plumagem essencialmente preta e branca e traseira de um vermelho intenso que se destaca do abdómen todo branco. Esta espécie tem um dimorfismo sexual evidente, os machos têm uma mancha vermelha na nuca que as fêmeas, como esta, não apresentam.

Prefere áreas altamente arborizadas, matas e bosques de pinhais, carvalhais, sobreirais e azinhais para viver e se reproduzir. Mas também consegue ser bem sucedido em jardins e parques.

 

 

Alimenta-se de insectos que habilmente colecta, sementes de coníferas no Inverno e, ocasionalmente, (como infelizmente até pude confirmar aqui na quinta) de ovos e crias de outras aves.

 

 

Este pica-pau é territorial e escolhe apenas uma fêmea/macho para se reproduzir. E como o nome indica, o pica-pau constrói o seu ninho escavando/picando um orifício com cerca de 5cmx6cm de entrada onde fará uma postura anual média de 4 a 6 ovos. Ovos estes que serão chocados e criados por ambos os membros do casal.

 

Curiosidades:

  • Os pica-paus têm penas espessas sobre as suas narinas que ajudam a evitar que partículas de madeira sejam inaladas.
  • O seu bico, para além de muito forte e pontiagudo, actua tanto como um cinzel como um pé de cabra para remover a casca e encontrar os insetos escondidos.
  • Tem uma língua bastante comprida com uma substância colante na ponta para a fácil captura de insectos.

 

 Leia o blogue da Mafalda.

Siga os correspondentes da Wilder, entusiastas que exploram e registam a vida selvagem à sua porta.