Nos montes de Somiedo fiz longas esperas para tentar vê-los. Com uns amigos, nos primeiros anos deste novo milénio, investi horas infindáveis no coração do país dos ursos-pardos. Foram muitas saídas de campo, às vezes com neve e frio, em alvoradas apressadas ou ao final do dia, antes ou após longas caminhadas.

 

A busca e a ideia de avistarmos um deles acompanhava-nos constantemente. Até que se deu o momento.

 

Urso-pardo. Foto: Thomas Wilken/Pixabay

 

No dia em que no nosso caderno de campo anotamos um dos mais desejados registos, o urso surgiu-nos num prado bem guarnecido de arvoredo. Nos momentos em as árvores encobriam o nosso “tesouro”, ficávamos em grande expectativa, à espera de voltar a avistá-lo um pouco mais adiante noutra clareira do bosque.

O que aconteceu duas ou três vezes. Ainda festejávamos o avistamento, quando um grupo de catalães veio ao nosso encontro. Andavam ao mesmo, há vários anos! Uma troca de olhares comprometidos deu para entender que também eles tinham observado algo empolgante. Mas, para surpresa de todos, percebemos que, apesar de situados em spots próximos, não tínhamos avistado o mesmo urso. Nós seguimos um macho que devia ir no encalço da fêmea e da cria que encheram de contentamento os espanhóis (também) apaixonados pelos ursos.

O urso-pardo e a floresta são dois temas intimamente ligados e ambos muito actuais em Portugal.

 

Foto: Miguel Dantas da Gama (imagem publicada no seu livro “Árvores do Parque Nacional da Peneda-Gerês”)

 

A bibliografia mais antiga sugere que o urso ter-se-á extinto no nosso país em meados do século XV. Mas o seu desaparecimento deu-se de facto muito mais tarde. Isso mesmo também evidencia o recente livro Urso-pardo em Portugal, crónica de uma extinção, de Paulo Caetano e Miguel Brandão Pimenta, um exaustivo trabalho de pesquisa bibliográfica onde constam registos da ocorrência do plantígrado na vizinha Galiza e mesmo em solo português, até às primeiras décadas do século XX. O que há muito se sabia, era que as últimas paragens lusitanas dos ursos-pardos, foram as serranias do noroeste, do Gerês em particular.

As tragédias recentes provocadas pelos incêndios, são o culminar de um longo período de más condutas levadas a cabo no nosso território. A progressiva e incessante destruição do coberto vegetal autóctone é a origem dos males maiores (tema já abordado numa das últimas crónicas Dias com vida selvagem). Recuperá-la é, pois, a grande medida de fundo, a intervenção estratégica que, de uma forma eficaz, produtiva e duradoura, resolverá, necessariamente sem pressas e a longo prazo, o gigantesco problema dos fogos.

 

Foto: Miguel Dantas da Gama (imagem publicada no seu livro “Árvores do Parque Nacional da Peneda-Gerês”)

 

Também com ela, poderão voltar os ursos. A maior população ibérica de urso-pardo ocorre na vertente ocidental da cordilheira cantábrica. É a mais próxima do território português e tem aumentado de uma forma sustentada nas últimas décadas. A Wilder já deu eco dessa evolução. De uma forma crescente, exemplares dispersantes rumam a sudoeste, aproximando-se da fronteira portuguesa.

Os ursos cantábricos, mais pequenos que os seus semelhantes escandinavos ou os «grizzly» norte-americanos, sobrevivem com uma dieta essencialmente herbívora. É uma característica que se revela positiva já que leva a uma menor ocorrência de situações conflituosas com as populações serranas e o seu gado, quando se compara com o que sucede com espécies como o lobo. A animosidade manifestada pelo homem é por isso também menor.

 

Foto: Miguel Dantas da Gama (imagem publicada no seu livro “Árvores do Parque Nacional da Peneda-Gerês”)

 

Mas esta realidade tem um lado negativo. Torna os ursos muito dependentes de um coberto vegetal natural obrigatoriamente mais exigente, bem conservado. Os ursos precisam de tranquilidade e alimento, ou seja, espaço liberto da pressão humana e habitat favorável. A perda de ambos ditou a sua extinção. O regresso dos ursos a Portugal é possível, não numa perspectiva de voltarmos a ter uma população estável, consistente, autónoma. A escassez de espaço é irrecuperável. Mas a franja norte do território nacional que integra o Parque Nacional da Peneda-Gerês e o Parque Natural de Montesinho podem vir a constituir o limite sudoeste da área de ocorrência do urso pardo-cantábrico, num futuro não muito distante, se para isso se trabalhar desde já. Um território por onde os ursos se poderão expandir, visitando-o e atravessando-o se nele encontrarem refúgio e alimento.

Recuperar a floresta autóctone é uma urgência nacional em quase todo o norte e centro do país. E o que é aqui motivadoramente sugerido para o Gerês e Montesinho, tendo em mente os ursos, é generalizável para todas as áreas afectadas pelos fogos, até mesmo em projectos que tenham por objectivo explorar uma floresta de produção.

 

Foto: Miguel Dantas da Gama

Foto: Miguel Dantas da Gama (imagem publicada no seu livro “Árvores do Parque Nacional da Peneda-Gerês”)

 

Se os ursos voltarem a Portugal, não mais hibernarão. É um problema acrescido no que toca à disponibilidade de alimento no inverno. Voltamos ao grau de exigência do coberto vegetal. Os pastos naturais são cruciais neste período do ano e continuarão a sê-lo no início da primavera. Depois, à medida que esta estação avança, as árvores silvestres vão adquirindo uma importância crescente. As cerejeiras-silvestres, por serem das primeiras a frutificar, têm merecido uma atenção especial por parte de quem luta pela defesa dos ursos asturianos. Finalmente, a disponibilidade de alimento ao longo de todo o verão e outono, requer grande diversidade de um arvoredo que se exige maduro, de grande porte. Árvores antigas produzem mais e melhor e sob as suas copas geram-se fontes alternativas de proteína animal e vegetal. As que morrem e apodrecem no solo, produzem outros tipos de sustento. Os ursos não procuram apenas castanhas, bolotas de carvalhos e de sobreiros, avelãs, ou frutos das faias. Bagas de plantas arbustivas e até de herbáceas compõem a sua multifacetada dieta. Na cordilheira cantábrica, a uva-do-monte é fundamental. No Gerês esta planta apenas sobrevive em redutos de carvalhal mais expressivo e maduro, hoje em dia muito escassos e de reduzida dimensão.

O fogo insistente, as queimadas, são o maior inimigo dos grandes bosques naturais e consequentemente das muitas espécies de fauna selvagem que também deles dependem. Desolador como é o estado actual das nossas escassas florestas, muitos dirão ser já demasiado tarde para um regresso do urso-pardo a Portugal. Pensemos antes que é ainda demasiado cedo. Mas será menos, se começarmos desde já a restaurar a nossa floresta autóctone.