Bioblitz da Flora Portuguesa: Ajude a encontrar estas sete espécies e muitas mais

Início

É já neste fim-de-semana, 22 e 23 de Maio, que se realiza esta iniciativa de ciência cidadã aberta a todos os que quiserem nela participar. Inspire-se com estas sugestões da equipa que organiza o evento.

O primeiro Bioblitz da Flora Portuguesa tem como principais objectivos “gerar conhecimento e alertar para a a importância de investigar e catalogar a biodiversidade das plantas em Portugal”, tanto no Continente como nas Ilhas. Realiza-se no fim-de-semana a seguir ao Dia Internacional do Fascínio das Plantas, que se comemora esta terça-feira, 18 de Maio.

Sergio Chozas, da Sociedade Portuguesa de Botânica, e Patrícia Tiago, da plataforma BioDiversity4All, coordenadores deste bioblitz, sugerem e descrevem sete espécies de plantas nativas que os participantes poderão registar em passeio.

Mas há mais de 2.000 outras espécies que podem ser encontradas em diferentes regiões do país, todas elas disponíveis no catálogo online Flora-On, da Sociedade Portuguesa de Botânica.

1. Morrião (Anagallis arvensis)

O morrião é uma planta anual que ocorre de norte a sul do país.

É uma espécie arvense, que pode ser encontrada em terrenos cultivados, e também ruderal, pois ocupa locais humanizados como os baldios urbanos, bermas e outros.

Aparece também em prados algo húmidos, clareiras de matos, orlas de matagais e bosques. As flores podem ser azuis, vermelhas ou alaranjadas.

2. Flor-de-ouro (Bartsia trixago)

A “flor-de-ouro” é comum em quase todo o país, ocorrendo em clareiras de matos em sítios pedregosos, prados, pastagens e arrelvados, por vezes húmidos.

Torna-se interessante a sua descoberta, porque existem plantas de flores totalmente amarelas e plantas de flores brancas e rosadas – ambas lindíssimas.

Nas plantas de flor amarela é importante confirmar que tem as flores oposto-cruzadas (em cruz), para não confundir esta espécie com a Parentucellia viscosa. Esta última, conhecida pelo nome comum erva-peganhenta, possui as flores organizadas em espiral.

3. Chicória (Cichorium intybus)

A chicória ocorre um pouco por todo o país, em baldios urbanos, bermas de caminhos e campos agrícolas.

Pertence à vasta família dos malmequeres (Asteraceae) e é fácil de detetar pelas suas bonitas flores azuis/lilases e caules angulosos e quase sem folhas.

Esta espécie deu origem a variedades comerciais um pouco por todo o mundo, seja pelas suas folhas seja pela sua raiz, que moída e torrada constitui um substituto do café – ambas com propriedades terapêuticas.

4. Dedaleira (Digitalis purpurea)

A dedaleira é uma erva bianual ou perene que ocorre em quase todo o país, em afloramentos rochosos abrigados, taludes revestidos por ervas, orlas e clareiras de bosques ou matagais.

Apresenta flores campanuladas, muito vistosas, purpúreas ou rosadas, raramente brancas e agrupadas num cacho unilateral.

Por conter digoxina, um fármaco utilizado no tratamento de problemas cardíacos, é uma espécie usada para fins medicinais. No entanto, é de referir que todas as partes da planta são muito venenosas.

5. Lúpulo (Humulus lupulus)

Para encontrar o lúpulo, o mais provável é ter de se aventurar a percorrer bosques ripícolas cerrados e silvados ensombrados do Norte e Centro do país. Esta liana, ou seja, uma trepadeira, é da Família Cannabaceae e possui folhas semelhantes às das videiras. As suas inflorescências femininas – esverdeadas e inconfundíveis – sobressaem à vista.

A espécie tem ainda a particularidade de ser dioica, isto é, existem em separado indivíduos masculinos (todas as suas flores são masculinas) e indivíduos femininos (todas as suas flores são femininas).

E para finalizar “em grande” no que respeita a curiosidades, há ainda a dizer que a espécie é cultivada para extracção de resinas (presentes especificamente nas brácteas das inflorescências femininas) para posterior uso na produção da cerveja.

6. Papoila (Papaver rhoeas)

A papoila é uma espécie que ocorre um pouco por todo o país, em searas, pousios, pastagens, prados, montados, olivais. Por vezes comporta-se como ruderal em bermas de caminhos, baldios e entulhos.

É uma das espécies utilizadas no dia da Espiga e simboliza o amor e a vida. Existem várias espécies de papoilas, pelo que para termos a certeza de estar frente a uma Papaver rhoeas devemos confirmar que a parte superior dos pedúnculos presenta pêlos algo rígidos e patentes (perpendiculares).

7. Umbigo-de-vénus (Umbilicus rupestris)

O umbigo-de-vénus é uma planta carnuda, perene, da família das Crassuláceas.

Ocorre em fendas de rochas, troncos e cascas de árvores, muros e telhados.

Tanto o nome comum como o científico do género – “Umbilicus” – devem-se à forma arredondada das folhas, com uma depressão semelhante a um umbigo no centro.


Saiba mais.

Para obter mais informações, inserir as espécies que fotografar e acompanhar os novos registos durante o fim-de-semana, consulte a página do projecto I Bioblitz Flora Portugal, disponível na plataforma BioDiversity4All.