Foto: Bogbumper/Wiki Commons

Que espécie é esta: andorinhão-pálido

A leitora Clara Mendes pediu ajuda para saber a espécies de dois filhotes de aves que observou em Viseu. Gonçalo Elias responde.

“Por vezes apareceram dois filhotes de aves no sótão de uma casa em recuperação na cidade de Viseu. Já foram vários os nomes comum de aves que lhe foram dados: pombas, filhotes de falcão…”, descreveu Clara Mendes na mensagem enviada à Wilder, sobre a fotografia tirada a 8 de Maio.

Foto: Clara Mendes

Trata-se de andorinhões-pálidos (Apus pallidus).

Espécie identificada por: Gonçalo Elias, coordenador do portal Aves de Portugal.

Os andorinhões-pálidos têm cor de café-com-leite e são muito parecidos com os andorinhões-pretos, mas o voo, por exemplo, costuma ser mais calmo, indica o portal Aves de Portugal.

Esta é uma ave que está presente em Portugal entre Março e Outubro, país onde nidifica, voando depois para África onde passa o tempo mais frio.

Tanto o andorinhão-pálido como o andorinhão-preto são aves espantosas, que têm a capacidade surpreendente de voar enquanto dormem. Saiba mais aqui.


Agora é a sua vez.

Encontrou um animal ou planta que não sabe a que espécie pertence? Envie para o nosso email a fotografia, a data e o local. Trabalhamos com uma equipa de especialistas que o vão ajudar.

Explore a série “Que espécie é esta?” e descubra quais as espécies que já foram identificadas, com a ajuda dos especialistas.

Inês Sequeira

A minha descoberta do mundo começou nas páginas dos livros. Desde que aprendi a ler, devorava tudo o que eram livros e enciclopédias em casa. Mais tarde, nos jornais, as minhas notícias preferidas eram as que explicavam e enquadravam acontecimentos que de outra forma seriam compreendidos apenas pelos especialistas. E foi com essa ânsia de aprender e de “traduzir” o mundo que me formei como jornalista. Comecei em 1998 na área de Economia do PÚBLICO, onde estive 14 anos a escrever sobre transportes, aviação, energia, entre outros temas. Fui também colaboradora do Jornal de Negócios e da agência Lusa. Juntamente com a Helena Geraldes e a Joana Bourgard, ajudei em 2015 a fundar a Wilder, onde finalmente me sinto como “peixe na água” e trabalho para um mundo melhor. Aqui escrevo sobre plantas, animais, espécies comuns e raras, descobertas científicas, projectos de conservação, políticas ambientais e pessoas apaixonadas por natureza. Aprendo e partilho algo novo todos os dias.