Foto: ©Grant Thomas/UPY2018

Cisnes ‘enamorados’ entre os vencedores do concurso Underwater Photographer of the Year

Naturalistas

‘Aves do Amor’ (‘Love Birds’) foi o título com que Grant Thomas, natural de Glasgow, decidiu baptizar a fotografia com que arrecadou o prémio de ‘British Underwater Photographer of the Year’, na edição deste ano do concurso internacional de fotografia submarina.

 

A imagem destes cisnes foi captada em Loch Lomond, na Escócia. “Sempre me senti fascinado pela fotografia ‘over-under’ (fotografia submarina tirada acima da superfície da água), ligando o mundo terrestre de todos os dias, que todos conhecemos, com os segredos submarinos menos familiares”, explica o fotógrafo, num comunicado divulgado esta semana pela organização do concurso.

 

dois cisnes de pescoços cruzados procuram comida debaixo da água

Foto: ©Grant Thomas/UPY2018

 

“Os cisnes estavam à procura de comida debaixo da superfície, só tive de esperar pelo momento perfeito de sincronia”, descreve.

Já o prémio principal deste ano, ‘Underwater Photographer of the Year’, foi atribuído a uma foto de destroços militares britânicos afundados durante a II Guerra Mundial, no Mar Vermelho. O alemão Tobias Friedrich foi o vencedor, contra mais de 5.000 fotografias que entraram na competição, de fotógrafos de todo o mundo.

 

destroços de material de guerra debaixo de água

Foto: ©Tobias Friedrich/UPY2018

 

Quanto aos novos talentos revelados em 2018, o primeiro lugar da categoria ‘Up & Coming Underwater Photographer of the Year’ foi entregue a Man BD, da Malásia. A imagem, captada na Indonésia e intitulada “Roar” (rugido), mostra duas lesmas-do-mar que parecem prestes a ser devoradas por uma moreia.

 

Foto: ©Man BD/UPY2018

 

“Quando estava a fotografar estes nudibrânquios, estava a concentrar-me em tirar a fotografia”, recorda Man BD, “quando de repente, uma moreia apareceu por trás. Ainda demorei cerca de 30 minutos para conseguir esta imagem.”

O concurso para o Underwater Photographer of the Year realiza-se anualmente, desde 1965, e coloca em competição fotografias captadas debaixo de água no mar, em lagos, rios e até mesmo em piscinas.

Conheça as fotografias que venceram noutras categorias da edição deste ano:

 

Most Promising British Underwater Photographer: Tony Stephenson, Inglaterra – “How Many Pike?”

 

um grupo de lúcios no mar

Foto: ©Tony Stephenson/UPY2018

 

“Adoro fotografar lúcios e neste mergulho em particular, durante as férias da Páscoa, um ‘grupo’ de machos estava à procura de uma fêmea. Quando encontraram uma, perseguiram-na sem descanso e ficaram completamente obcecados em ganhar a atenção dela”, conta Tony Stephenson. “Isso permitiu-me ficar mesmo em frente (…). Fiquei deliciado com os resultados.”

 

Grande Angular: Greg Lecoeur, França – “Humpback Whale Spy Hopping”

 

baleia de bossa

Foto: ©Greg Lecoeur/UPY2018

 

O primeiro prémio para a categoria ‘Wide Angle’ (grande angular) foi atribuído ao francês Greg Lacoeur, que captou a imagem desta baleia-de-bossa durante uma viagem ao arquipélago de Tonga, na Polinésia (Oceania), com um grupo de amigos.

“Embora pesando várias dezenas de toneladas, este animal mostrou uma agilidade e força incríveis ao colocar-se a si próprio verticalmente na água. Foi muito impressionante e podiamos sentir o poder da natureza, mas ao mesmo tempo fomos invadidos por um sentimento de gentileza.”

 

Macro: Shane Gross, Canadá – “Seahorse Density”

 

cavalos marinhos em contra-luz debaixo da água

Foto: ©Shane Gross/UPY2018

 

“O lago em que estava tem a mais alta densidade de cavalos-marinhos na Terra, mas nunca tinha visto três juntos como estes até agora”, conta Shane Gross, do Canadá, que conseguiu esta foto vencedora nas Bahamas. “O sol estava a pôr-se e à medida que ficava mais escuro, o plâncton começou a acumular-se. Quando os cavalos-marinhos comeram algum do plâncton, consegui ver que estavam realmente descontraídos.”

 

Comportamento: Filippo Borghi, Itália – “The Fisherman”

 

corvo-marinho asiático com um peixe no bico

Foto: ©Filippo Borghi/UPY2018

 

No Japão, o fotógrafo italiano Filippo Borghi esperou pacientemente pela oportunidade certa para captar este corvo-marinho pescador, durante dois dias, mergulhado em águas com cinco a oito metros de altura. Teve sorte.

“No Inverno, na Península de Izu, em Tóquio, os corvos-marinhos asiáticos param por alguns meses antes de voarem para a China. Por isso, este é o melhor momento para tentar fotografar esta ave marinha espantosa enquanto mergulha e pesca.”

 

Retrato: Tanya Houppermans, Estados Unidos – “A Sand Tiger Shark Surrounded by Tiny Bait Fish”

 

um tubarão rodeado por pequenos peixes

Foto: ©Tanya Houppermans/UPY2018

 

Tanya Houppermans costuma mergulhar junto aos destroços do Caribsea, um cargueiro que se afundou em 1942, atingido por dois torpedos disparados por um submarino alemão, ao largo de Cape Lookout, na Carolina do Norte (Estados Unidos). Gosta de ver “os tubarões-touro de aspecto feroz, mas dóceis, que frequentam os destroços.”

“Naquele dia, não conseguia acreditar no que estava a ver. Milhões de pequenos peixes, colectivamente chamados de ‘peixe-isco’, estavam agrupados numa enorme bola acima dos destroços, com dezenas de tubarões-touro que se passeavam preguiçosamente no meio”, recorda, sobre o dia em que captou esta imagem vencedora.

 

Saiba mais.

Recorde o polvo dançarino que venceu este concurso em 2017 e também as histórias contadas por Nuno Sá, que foi o grande vencedor da competição em 2015.