Arminho (Mustela erminea). Foto: Keven Law/Wiki Commons

Em Espanha, este pequeno animal vai ser o carnívoro de 2019

Conservação

A Sociedade Espanhola para a Conservação e Estudo dos Mamíferos (SECEM) já anunciou a escolha do Carnívoro do Ano de 2019: o pequeno arminho, que habita as zonas mais a norte da Península Ibérica.

 

A decisão foi tomada pelo Grupo de Carnívoros Terrestres da SECEM, uma associação espanhola criada em 1991, que se dedica ao estudo e conservação dos mamíferos no país.

A campanha do Carnívoro do Ano realiza-se em 2019 pela segunda vez, com o objectivo de “dar a conhecer determinadas espécies e os seus problemas de conservação”, indica uma nota publicada no site da associação. No ano passado, a escolhida foi a raposa, “devido à perseguição histórica que sofre”.

Os arminhos (Mustela erminea) são considerados “micro-carnívoros” e pertencem ao grupo dos mustelídeos, ao qual pertencem também as doninhas. Alimentam-se principalmente de roedores e de outros micro-mamíferos, devido ao pequeno tamanho que têm – medem no máximo pouco mais de 30 centímetros de comprimento. No entanto, conseguem perseguir presas muito maiores, como os coelhos e as lebres.

A pelagem destes animais muda na passagem do Verão para o Outono, quando deixam de ter o dorso acastanhado para ficarem totalmente brancos, pois assim camuflam-se melhor.

 

arminho com o dorso castanho e a barriga branca

Arminho com a pelagem de Verão. Foto: U.S. Fish & Wildlife Service

 

Por todo o mundo, a nível global, esta espécie está classificada como Pouco Preocupante, até porque habita uma vasta área, que se estende entre a América do Norte e a Europa e a Ásia.

No entanto, em Espanha, onde há pouca informação sobre a espécie, “observa-se um claro declive [populacional] que poderá estar relacionado com a destruição dos habitats e a descida das comunidades de roedores devido ao uso de raticidas” e de outros venenos no meio rural, nota a SECEM.

Assim, a nomeação deste ano pretende chamar a atenção para a necessidade de se fazerem mais estudos específicos e campanhas que ajudem à conservação deste carnívoro, acrescentam.

O Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal, publicado em 2005, referia que este mamífero é residente em Portugal Continental, especialmente nas regiões a norte do Douro. Indicava também que a informação sobre a espécie é insuficiente para se determinar se está ou não ameaçada de desaparecer no país.

 

arminho todo branco

Arminho com a pelagem característica do Inverno. Foto: Wiki Commons

 

Hoje em dia, os arminhos estão legalmente protegidos em muitas partes do mundo, mas durante vários séculos foram muito perseguidos, em especial na Europa Central e Ocidental, pois a pelagem de tons brancos era usada para roupas e mantos e considerada um símbolo de riqueza. Mas ainda continuam a ser muito caçados na Rússia, por exemplo.

 

Precisamos de pedir-lhe um pequeno favor…

Se gosta daquilo que fazemos, agora já pode ajudar a Wilder. Adquira a ilustração “Menina observadora de aves” e contribua para o jornalismo de natureza. Saiba como aqui.