Este é o maior atlas genético das borboletas da Europa

Uma equipa internacional publicou o maior e mais detalhado atlas genético das borboletas europeias, com 22.306 exemplares de 459 espécies sequenciados.

O estudo, publicado a 9 de Março num artigo na revista científica Communications Biology, reuniu informação genética de 97% das espécies de borboletas da Europa com uma resolução sem precedentes. 

Algumas das borboletas incluídas na base de dados genética. Imagem: Vlad Dinca

“O objectivo principal do projecto era desenvolver uma base de dados exaustiva que permitisse ter uma imagem clara da diversidade e história evolutiva das borboletas europeias”, explicou, em comunicado, Roger Vila, investigador do Laboratório de Diversidade e Evolução das Borboletas no Instituto de Biologia Evolutiva (IBE-CSIC) – Universidade Pompeu Fabra (UPF).

Segundo o investigador, o novo atlas permite a identificação de qualquer amostra de borboletas (fragmento, asa, ovo, conteúdo estomacal ou fezes de predadores), em qualquer local do continente, através do ADN.

Este enorme conjunto de dados pode ter um grande impacto na conservação das borboletas e também na identificação de pragas ou introdução de espécies exóticas no território.

De acordo com os investigadores, “esta base de dados revelou áreas de elevada diversidade genética que serão reservatórios de biodiversidade, e também populações com uma genética única que correm o risco de se extinguir se não forem protegidas”, comentou Vlad Dinca, investigador da Universidade finlandesa de Oulu e anteriormente investigador no IBE-CSIC.

Erebia epiphron de La Rioja, uma população geneticamente única. Foto: Yeray Monasterio León/Asociación ZERYNTHIA

Isto porque nem todas as regiões da Europa são iguais para as borboletas. Por exemplo, “hoje sabemos que a diversidade genética das borboletas é claramente mais baixa na zona que esteve debaixo de gelo há 12.000 anos, no Centro e Norte da Europa”, explicou Vlad Dinca.

Este perito acredita que “com esta ferramenta podem ser desenhados planos de protecção de espécies de borboletas muito mais eficazes”.

O atlas reuniu 15 anos de trabalho de inúmeros investigadores e de voluntários.