Foto: Gabinete do primeiro-ministro da Etiópia

Etiópia plantou mais de 353 milhões de árvores num só dia

Monitor

O segundo país com mais habitantes em África atingiu o recorde mundial de árvores plantadas apenas num dia, acreditam as autoridades locais.

Milhões de voluntários por toda a Etiópia foram desafiados esta segunda-feira a participar numa plantação colectiva, no âmbito de uma campanha baptizada de “Green Legacy” (“Legado Verde”, em português) que se destina a reflorestar o país, noticiou a CNN.

Serviços públicos encerraram, para que os funcionários participassem, e trabalhadores das Nações Unidas e das embaixadas também se juntaram à iniciativa.

O objectivo inicial era atingir 200 milhões de árvores plantadas num só dia, de forma a ultrapassar o recorde mundial estabelecido pela Índia, que em 2017 tinha alcançado 66 milhões de plantações em 12 horas.

Mas essa meta inicial foi ultrapassada, com mais de 353 milhões de árvores colocadas no solo etíope em 12 horas – mais exactamente, 353.633.660 árvores – anunciou no Twitter o ministro para a Inovação e Tecnologia, Getahun Mekuria.

Mas o objectivo do Governo etíope é muito maior: a campanha nacional ‘Green Legacy’ quer plantar 4.000 milhões de árvores nativas durante a estação das chuvas, entre Maio e Outubro, com o objectivo de combater os efeitos das alterações climáticas.

De acordo com a organização Farm Africa, que trabalha na reflorestação dos territórios do Leste de África, a Etiópia tem hoje menos de 4% do seu território ocupado por florestas, comparando com cerca de 30% no final do século XIX.

A agricultura é a actividade principal dos etíopes, pois dela depende cerca de 80% da população, mas é também a causa principal para o desaparecimento das florestas. A falta de árvores no território tem levado ao agudizar de problemas ligados à instabilidade do clima, com cheias e secas recorrentes e a erosão e degradação dos solos.

A campanha em curso insere-se numa iniciativa mais vasta – African Forest Landscape Restoration Initiative – que inclui mais de 20 países africanos e tem como meta final o restauro de mais de 100 milhões de hectares de terra.

Ainda assim, o governo liderado por Abiy Ahmed está a ser acusado de querer desviar as atenções do público dos problemas que tem vindo a enfrentar, como é o caso dos conflitos étnicos que obrigaram 2,5 milhões de pessoas a abandonar as suas casas, indicou por seu lado a BBC.