Foto: Joana Bourgard/Wilder

Gosta de tocar nas plantas? Pode atrasar-lhes o crescimento

Ciência

Um estudo coordenado pela La Trobe University, na Austrália, concluiu que as plantas são extremamente sensíveis ao toque e que toques repetidos podem atrasar o seu crescimento.

 

“O mais pequeno toque de um humano, animal, insecto, ou mesmo plantas que tocam umas nas outras devido ao vento, desencadeia uma forte resposta genética na planta”, afirmou Jim Whelan, investigador que liderou este estudo publicado em Dezembro no The Plant Journal.

 

Foto: Joana Bourgard/Wilder

 

Se os toques forem repetidos, e se se prolongarem por 30 minutos, “10 por cento do genoma da planta é alterado”, explicou o cientista, citado num comunicado da universidade australiana.

“Isto envolve um enorme dispêndio de energia que é retirada ao crescimento da planta. Se o toque for repetido, então o crescimento da planta reduz-se até 30 por cento.”

Continua por saber, no entanto, porque é que as plantas reagem afinal de forma tão forte ao toque, admitiu a equipa de investigadores.

Ainda assim, os cientistas já conseguem compreender melhor os mecanismos genéticos envolvidos nesta resposta. Por exemplo? “Sabemos que quando um insecto aterra numa planta, os genes são activados, preparando a planta para se defender de ser comida”, disse Yan Wang, co-autor do estudo. “No entanto, os insectos também podem ser benéficos, por isso, como é que as plantas distinguem entre amigos e inimigos?”

O crescimento também pode ser atrasado quando as plantas estão tão próximas que tocam umas nas outras, “numa resposta de defesa que pode optimizar o acesso à luz do sol.”

 

flores brancas

Flores da Arabidopsis thaliana. Foto: Alberto Salguero Quiles/Wiki Commons

 

O estudo baseou-se nas plantas da espécie Arabidopsis thaliana, conhecida em Portugal pelos nomes comuns de arabeta ou erva-estrelada, entre outros. Mas os cientistas acreditam que os resultados se podem aplicar à maioria das espécies.

Avaliar de que forma reagem ao toque as espécies usadas em culturas vai ser a próxima fase desta investigação, tal como perceber quais podem ser as consequências de desenvolver espécies menos sensíveis, adiantaram os investigadores.

“Por exemplo, podem as plantas mais resistentes ao toque ser mais susceptíveis às doenças, porque foi removido um mecanismo crucial de defesa?”, questionou Jim Whelan.

 

Precisamos de pedir-lhe um pequeno favor…

Se gosta daquilo que fazemos, agora já pode ajudar a Wilder. Adquira a ilustração “Menina observadora de aves” e contribua para o jornalismo de natureza. Saiba como aqui.