Foto: Laura Castelló

Há boas notícias para a pequena calhandra-do-raso

Conservação

A calhandra-do-raso, uma das aves mais ameaçadas em todo o mundo, tem sido motivo para festejos durante as últimas semanas. Em causa estão alguns sinais de sucesso da reintrodução da espécie em Cabo Verde.

 

Até há pouco tempo, toda a população mundial de calhandra-do-raso (Alauda rasae) estava confinada a um pequeno território de apenas sete quilómetros quadrados: o ilhéu Raso, no arquipélago de Cabo Verde.

Em 2004, após vários anos de seca, restavam apenas 50 destas pequenas aves no ilhéu, pelo que a espécie estava à beira da extinção.

Mas em Abril passado, após vários anos de preparação e de chuva adequada, a população de calhandras-do-raso já tinha recuperado para cerca de 1000 indivíduos, o suficiente para se avançar para a criação de um novo núcleo populacional. Foi então que um projecto internacional de conservação tentou reintroduzir a espécie numa outra ilha do arquipélago, a ilha de Santa Luzia, onde já tinham ocorrido calhandras.

Translocaram-se mais de 30 aves do ilhéu Raso para a ilha de Santa Luzia, ali próxima, numa acção realizada pela SPEA em conjunto com a ONG cabo-verdiana Biosfera 1 e a Direcção Nacional do Ambiente de Cabo Verde.

Seguiu-se por vários meses a observação das novas habitantes da ilha por técnicos do projecto Desertas – Gestão Sustentável da Reserva Marinha de Santa Luzia, na qual esta iniciativa está inserida.

“Após as primeiras chuvas deste ano em Santa Luzia, nos passados meses de Junho e Julho, os técnicos do projecto observaram os característicos voos de acasalamento que estas aves realizam no início da sua reprodução”, relatou agora a SPEA, em comunicado.

Finalmente, em Agosto foi observado o primeiro juvenil nascido na ilha.

“O juvenil foi observado a voar junto com os progenitores e a ser alimentado por um dos pais. Para além da confirmação deste primeiro juvenil de calhandra a nascer fora do Ilhéu raso, outros dois casais de calhandra foram também observados em voos de acasalamento.”

“Este é um claro sinal de sucesso da translocação e um importante marco na conservação desta espécie,” diz Pedro Geraldes, técnico principal de Conservação Marinha da SPEA, e um dos coordenadores do projecto Desertas – Gestão Sustentável da Reserva Marinha de Santa Luzia.

Este projecto, que recebe apoio da Fundação MAVA – Fondation pour la Nature teve como parceiras várias instituições ao longo dos últimos anos. O objectivo é a recuperação total e proteção sustentável dos habitats e da biodiversidade ameaçada das Áreas Marinhas Protegidas do Ilhéu Raso, Branco e Santa Luzia, um importante hotspot de biodiversidade no Atlântico Norte.