Lobo (Canis lupus). Foto: Marcel Langthim/Pixabay

Lobos entendem a comunicação humana melhor do que se pensava

Ciência

Não são só os cães que sabem devolver uma bola. Cientistas descobriram que também há crias de lobo, não treinadas, com essa capacidade.

 

Isso significa, ao contrário do que se acreditava, que a capacidade que os cães (Canis lupus familiaris) demonstram de entender sinais de comunicação humana surgiu antes da domesticação a partir do lobo (Canis lupus), ocorrida há pelo menos 15.000 anos. Até agora, ninguém esperava que essa habilidade fosse própria igualmente destes animais.

A nova descoberta feita por cientistas da Universidade de Estocolmo, na Suécia, foi publicada esta quinta-feira na iScience.

A equipa estudou o comportamento de 13 crias de lobo com oito semanas, criadas por humanos, mas que nunca tinham sido treinadas. Alguém que estas desconheciam atirava uma bola para o outro lado da sala e pedia-lhes para a irem buscar e a devolverem.

Os cientistas esperavam que os lobos não reagissem a esse comportamento nem que começassem a interagir com um estranho. Mas das 13 crias testadas, houve três que pelo menos duas vezes devolveram a bola. Uma destas fê-lo das três vezes que lhe pediram. Outras duas mostraram algum interesse mas desistiram e as restantes não ligaram.

“Quando vi a primeira cria de lobo a recuperar a bola fiquei literalmente com pele de galinha”, afirmou Christina Hansen Wheat, da Universidade de Estocolmo, à agência espanhola SINC.

“Isso significa que durante a domesticação, o comportamento lúdico dos lobos poderá ter sido um factor potencial para as pressões selectivas que desde cedo foram exercidas pelos humanos”, concluiu.

 

Descubra o Calendário Wilder 2020

Para o ano de 2020 criámos um calendário inspirado nas espécies de plantas, animais e cogumelos de Portugal, com 12 das melhores imagens que recebemos dos nossos leitores, através do Que Espécie É Esta. E com os dias mais especiais dedicados à Natureza, de Janeiro a Dezembro. 

Saiba aqui como adquirir. 

Desta forma está a apoiar o trabalho da Wilder, revista online independente dedicada ao jornalismo de natureza.