Macho de tartaranhão-caçador (Circus pygargus). Foto: Cks3976/WikiCommons

Picanço-real, codorniz e tartaranhão-caçador, candidatas a Ave do Ano 2020

Natureza

Estas três espécies, que dependem dos meios agrícolas, são as candidatas a Ave do Ano 2020, uma campanha de comunicação e conservação que este ano junta a portuguesa Spea à espanhola SEO/Birdlife.

 

 

Picanço-real (Lanius excubitor), codorniz (Coturnix coturnix) e o tartaranhão-caçador (Circus pygargus) são as três espécies candidatas e estão a votação, por parte dos cidadãos, até às 12h00 de 22 de Janeiro. Pode votar aqui.

Esta é uma campanha que pretende “chamar a atenção para a situação em que se encontram as espécies da avifauna ibérica e seus habitats”, explica a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (Spea).

Em Portugal realiza-se há 12 anos e em Espanha há 30. Pela primeira vez, a Ave do Ano será eleita em conjunto com a Sociedade Espanhola de Ornitologia (SEO/Birdlife).

A Ave do Ano de 2019 escolhida pelos portugueses foi o pisco-de-peito-ruivo, tendo ficado à frente da outra candidata, a toutinegra-de-barrete. Ambas estas espécies são das principais vítimas da captura ilegal de aves, salientou a Spea.

Este ano, as candidatas são outras.

O picanço-real é o maior dos picanços que vivem na Península Ibérica.

 

Picanço-real. Foto: Smudge 9000/WikiCommons

 

Ocorre em ambientes abertos e pode ser encontrado pousado em cabos, postes e em zonas altas de arbustos, procurando insectos, pequenos mamíferos e répteis, explicam os organizadores da campanha. Tem por hábito armazenar as suas presas, espetando-as em picos de arbustos ou em vedações com arame farpado.

Esta espécie tem registado declínios nas suas populações na Península Ibérica. “A intensificação agrícola, o abandono do pastoreio extensivo e o uso excessivo de pesticidas” são as suas principais ameaças. Por isso, esta espécie é um “óbvio representante dos problemas que os meios agrícolas enfrentam e um bom indicador da saúde desses ecossistemas”.

A outra candidata a Ave do Ano 2020 é a codorniz, rainha da camuflagem na natureza, com as suas cores discretas.

 

Codorniz. Foto: SEO/Birdlife

 

Vive em todo o tipo de cultivos, pastagens e prados mas prefere os campos de cereais. Alimenta-se de sementes silvestres, grãos de cereais e de pequenos invertebrados.

As suas principais ameaças são a intensificação agrícola, a forte pressão cinegética – estima-se que sejam caçadas todos os anos mais de um milhão de codornizes em Espanha e 26.000 em Portugal – e a contaminação genética por causa da codorniz-japonesa ou híbridos com fins cinegéticos.

O outro candidato é o tartaranhão-caçador, uma das rapinas mais ligadas às actividades humanas, uma vez que depende das grandes extensões de cultivo de trigo e cevada onde nidifica.

 

Macho de tartaranhão-caçador (Circus pygargus). Foto: Cks3976/WikiCommons

 

Ajuda os agricultores eliminando grandes quantidades de roedores, gafanhotos e aves granívoras.

A intensificação da agricultura é uma das suas principais ameaças, em especial a destruição dos ninhos e crias pelas ceifeiras. Além disso, os insecticidas reduzem o número de presas. Hoje, as suas populações registam “um declínio importante” e em Portugal e Espanha está classificada como espécie Vulnerável.

“As aves estão a alertar-nos para o estado de saúde do nosso espaço rural e estão a dar sinais evidentes de que não podemos continuar a manter o modelo actual”, comentou Asunción Ruiz, directora da SEO/Birdlife, citada pela agência Europa Press.

 

Descubra o Calendário Wilder 2020

Para o ano de 2020 criámos um calendário inspirado nas espécies de plantas, animais e cogumelos de Portugal, com 12 das melhores imagens que recebemos dos nossos leitores, através do Que Espécie É Esta. E com os dias mais especiais dedicados à Natureza, de Janeiro a Dezembro. 

Saiba aqui como adquirir. 

Desta forma está a apoiar o trabalho da Wilder, revista online independente dedicada ao jornalismo de natureza.