as-sementes-de-um-dente-de-leão
Foto: Joana Bourgard

Portugueses são os mais pessimistas quanto aos efeitos das alterações climáticas

Início

Num novo inquérito realizado em 34 países, 88% dos portugueses acreditam que as alterações climáticas vão ter impactos severos ou muito severos nos próximos 10 anos, até 2032.

 

Os resultados deste inquérito foram divulgados esta quinta-feira e indicam que mais de metade de todos os adultos inquiridos (56%) nos 34 países já sentiram efeitos severos do clima nas áreas onde vivem, com destaque para o México (75%), Hungria (74%), Turquia (74%) e Espanha (71%). Em Portugal, a resposta foi positiva da parte de 59% dos contactados.

O inquérito foi conduzido pela Ipsos para o Fórum Económico Mundial, entre um total de 23.507 adultos, entre 22 de Julho e 5 de Agosto deste ano.

Já as expectativas quanto aos efeitos no futuro são igualmente preocupantes: mais de sete em cada dez de todos os inquiridos (71%) esperam que os impactos das alterações climáticas sejam severos ou muito severos, nos próximos 10 anos. Além de Portugal (88%), onde a diferença desta percentagem face aos 59% que já sentiram impactos é das maiores, onde as pessoas mais partilham estas preocupações é no México e Hungria (ambos com 86%), Turquia e Chile (85%), Coreia do Sul e Espanha (83%), Itália (81%), França e Roménia (80%).

Por outro lado, quando questionados sobre se terão de deixar as suas casas devido às alterações do clima nos próximos 25 anos, até 2047, 35% do total acreditam que sim, a mesma percentagem que em Portugal. Neste caso, as populações mais apreensivas vivem na Índia (65%), Turquia (64%), Malásia (49%) e Brasil (49%). Em Espanha, também é alta a percentagem de pessoas que acreditam que terão de procurar outro lugar para viver: 46%.

“Estamos numa crise climática. Os resultados do inquérito indicam que por todo o mundo, as pessoas já sentem hoje os seus efeitos e receiam pelo futuro”, comentou Gim Huay Neo, director-executivo e coordenador do Centro para a Natureza e o Clima do Fórum Económico Mundial.

No extremo oposto, destaca-se a Suécia, país onde apenas 25% dos contactados afirmaram ter já sentido efeitos severos do clima e onde apenas 17% acreditam que vão ter de mudar de casa. Quanto aos efeitos das alterações climáticas nos próximos dez anos, só 56% dos suecos inquiridos se mostraram preocupados, em comparação com uma média de 71% para o total dos 34 países.

Inês Sequeira

A minha descoberta do mundo começou nas páginas dos livros. Desde que aprendi a ler, devorava tudo o que eram livros e enciclopédias em casa. Mais tarde, nos jornais, as minhas notícias preferidas eram as que explicavam e enquadravam acontecimentos que de outra forma seriam compreendidos apenas pelos especialistas. E foi com essa ânsia de aprender e de “traduzir” o mundo que me formei como jornalista. Comecei em 1998 na área de Economia do PÚBLICO, onde estive 14 anos a escrever sobre transportes, aviação, energia, entre outros temas. Fui também colaboradora do Jornal de Negócios e da agência Lusa. Juntamente com a Helena Geraldes e a Joana Bourgard, ajudei em 2015 a fundar a Wilder, onde finalmente me sinto como “peixe na água” e trabalho para um mundo melhor. Aqui escrevo sobre plantas, animais, espécies comuns e raras, descobertas científicas, projectos de conservação, políticas ambientais e pessoas apaixonadas por natureza. Aprendo e partilho algo novo todos os dias.