Grifos. Foto: Dave Massie/Wiki Commons

Prisão e multa para caçador que envenenou quatro abutres em Espanha

Monitor

O caçador considerado culpado de envenenar mortalmente um abutre-preto e três grifos foi condenado a seis meses de prisão e uma multa de 36.000 euros.

 

Além da pena de prisão e da multa, o mesmo homem ficou proibido de caçar durante um período de dois anos.

Em causa está um envenenamento que aconteceu em 2012 na província de Ciudad Real, região de Castela-La Mancha, relata uma notícia do jornal espanhol Hoy, citada pela Vulture Conservation Foundation.

Agentes ambientais espanhóis encontraram a carcaça de um abutre-preto numa quinta da localidade de Agudo. Dias mais tarde, acompanhados por pessoas da Unidade de Investigação de Venenos de Ciudad Real, descobriram os corpos de três grifos e os restos de uma ovelha que as aves tinham comido.

Mais tarde, devido à realização de necrópsias, soube-se que tanto as aves como a ovelha continham vestígios de um poderoso insecticida usado em colheitas, que lhes terá provocado a morte. “De acordo com a sentença, o caçador preso por estes anos usou a ovelha como isco para eliminar os abutres”, relata a VCF.

A decisão do tribunal foi conhecida a 15 de Janeiro em Espanha, divulgada pela Associação Profissional de Agentes Ambientais de Castela-La Mancha, que pede desde há muito a criação de novas unidades de investigação de venenos na comunidade para que sejam detectados os crimes contra a vida selvagem através do uso de iscos envenenados.

“O envenenamento na natureza continua a ser uma das práticas ilegais mais destrutivas para a biodiversidade em Espanha, matando vida selvagem preciosa”, defende a VCF.

“Espanha, no entanto, pode ser vista como um exemplo das melhores práticas na Europa no que respeita a combater o envenenamento ilegal de vida selvagem”, sublinha esta organização não governamental internacional dedicada à conservação dos abutres europeus.

Em Portugal, em Abril passado, foi anunciado um novo protocolo de actuação no âmbito do combate a estes crimes. Na altura, o então presidente do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, Rogério Rodrigues, referiu que se estima que apenas 10% dos animais vítimas de iscos envenenados são detectados.

 

Recorde a sentença emitida em Espanha pelo caso mais grave de envenenamento de vida selvagem na Europa, conhecida em Maio de 2019.

Descubra o Calendário Wilder 2020

Para o ano de 2020 criámos um calendário inspirado nas espécies de plantas, animais e cogumelos de Portugal, com 12 das melhores imagens que recebemos dos nossos leitores, através do Que Espécie É Esta. E com os dias mais especiais dedicados à Natureza, de Janeiro a Dezembro. 

Saiba aqui como adquirir. 

Desta forma está a apoiar o trabalho da Wilder, revista online independente dedicada ao jornalismo de natureza.