Acção da Ocean Alive com pescadoras do Estuário do Sado. Foto: D.R.

Raquel vai levar pradarias marinhas do Sado a cimeira da ONU

Naturalistas

O vídeo que mostrou a conservação das pradarias marinhas do Estuário do Sado venceu o concurso “The Global Youth Video Competition”, no âmbito da Cimeira do Clima da ONU, marcada para Nova Iorque a 23 de Setembro.

O vídeo de Raquel Gaião Silva, bióloga portuguesa de 24 anos, obteve mais de 65.000 visualizações no Youtube e foi o escolhido de entre 400 candidatos de todo o mundo.

No vídeo de três minutos, Raquel apresenta a importância das pradarias marinhas na fixação de carbono e o trabalho da cooperativa Ocean Alive no Estuário do Sado – desde a limpeza das águas do estuário ao envolvimento de pescadoras locais na monitorização das pradarias marinhas, mas também a realização de campos de férias de educação ambiental com estudantes de vários países.

O filme português era um dos 20 finalistas na categoria “Cidades e acção local no combate às alterações climáticas” deste concurso, realizado no âmbito da Cimeira do Clima organizada pela ONU. Como tal, vai ser transmitido durante o encontro, que se realiza este mês em Nova Iorque.

Entretanto, Raquel vai apresentar o projecto que inspirou o seu vídeo na Conferência das Partes (COP25) que se realiza em Dezembro, no Chile. 

Conquista também “o estatuto de Embaixador da Juventude para as Alterações Climáticas e apoia a ONU na cobertura jornalística da conferência, através da produção de artigos e vídeos”, adianta em comunicado a Ocean Alive.

Raquel Gaião Silva, natural de Viana do Castelo, é apaixonada por comunicação e sensibilização ambiental e tem vindo a trabalhar em assuntos ligados à sustentabilidade e às alterações climáticas.

As pradarias marinhas são constituídas por plantas aquáticas que formam uma floresta marinha que sequestra carbono a uma taxa 30 vezes superior ao das florestas terrestres.

“São estas pradarias que tornam o estuário do Sado único em Portugal, pois como florestas que são, oferecem alimento, abrigo e local de reprodução para muitos organismos marinhos, como os cavalos-marinhos, raias e para as presas dos golfinhos que residem neste estuário”, segundo a Ocean Alive. “Se estas pradarias marinhas forem destruídas, o carbono por elas armazenado será libertado e uma grande biodiversidade marinha será perdida.”

A Ocean Alive chama a atenção para “o risco iminente de degradação das pradarias do estuário do Sado como consequência das extensas dragagens previstas, como parte da obra de melhoria dos acessos ao porto de Setúbal”. “Não valerá a pena sermos um exemplo distinguido se as pradarias marinhas do estuário do Sado desaparecem.”

A 28 de Setembro está prevista uma manifestação em Setúbal contra as dragagens. “Consideramos determinante a tomada de consciência por parte do Governo português para a necessidade de mudar o paradigma da criação de riqueza e empregos mantendo os benefícios do estuário do Sado como um sistema natural que suporta a nossa qualidade de vida e um futuro sustentável, alinhados com os compromissos assumidos pelo nosso país na ONU: os Objectivos para o Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 e o Acordo de Paris, devido à necessidade urgente de travar o aumento da temperatura média global e resolver os desafios ligados às alterações climáticas.”