Foto: Sam Hollenshead/Ecodeo/UICN

Razan Al Mubarak torna-se a primeira mulher do mundo árabe a liderar a UICN

Início

Razan Al Mubarak, aos 42 anos, foi eleita a 8 de Setembro presidente da União Internacional da Conservação da Natureza (UICN). É a segunda mulher, e a primeira do mundo árabe, a liderar aquela que é uma das maiores e mais conhecidas instituições de conservação do mundo.

Al Mubarak foi eleita para suceder a Zhang Xinsheng como presidente do Conselho da UICN durante o Congresso Mundial da Natureza, a decorrer em Marselha, França. Nos próximos quatro anos, Al Mubarak vai liderar a UICN, organização com 73 anos e da qual fazem parte 1.400 organismos governamentais e organizações não governamentais de todo o mundo.

Foto: Sam Hollenshead/Ecodeo/UICN

Até agora, Al Mubarak era a directora da Agência do Ambiente de Abu Dhabi e do Fundo de Conservação das Espécies Mohamed bin Zayed. Trabalha há 20 anos em conservação, tanto no sector público como no privado, tendo ajudado a criar a Emirates Nature, uma ONG afiliada da WWF.

“Sinto-me verdadeiramente honrada por ter sido eleita a 15ª presidente da UICN, especialmente neste momento crítico em que precisamos elevar a conservação da natureza para os lugares cimeiros da agenda mundial da sustentabilidade”, disse Al Mubarak em comunicado.

Numa mensagem oficial, publicada no seu site, Al Mubarak considera que “este é um momento em que devemos levar a conservação para os lugares cimeiros das agendas de sustentabilidade”. “Temos de ser rápidos, audazes e temos que inovar.”

Defende que “devemos democratizar a ciência e a arte da conservação tornando-a acessível para todos”.

Foto: Sam Hollenshead/Ecodeo/UICN

“Chegou a altura para a UICN realmente se reafirmar a si própria e a sua influência no cenário global e para recuperar esta grande visão”, acrescentou.

“Com optimismo e humildade no coração, podemos garantir que a UICN seja uma defensora mais eficaz da conservação da natureza e não tenho dúvidas de que juntos podemos consegui-lo. Porque a natureza precisa de nós e nós precisamos da natureza.”

Os membros da UICN elegeram ainda os responsáveis pelas várias Comissões da organização, que reúnem cerca de 18.000 peritos voluntários de todo o mundo, abrangendo uma vasta quantidade de áreas, desde a conservação das espécies à gestão de áreas protegidas. Estas Comissões avaliam o estado dos recursos naturais do planeta e dão à UICN o conhecimento e aconselhamento necessário sobre a conservação mundial.

Foram também eleitos 28 conselheiros regionais, que funcionam como embaixadores da UICN e informam a organização das prioridades e necessidades nas suas regiões.