Fotos: Sandra Pereira

Que espécie é esta: cobra-de-água-de-colar-mediterrânica

Naturalistas locais

A leitora Sandra Pereira fotografou uma cobra que encontrou a 23 de Abril na sua horta em Monção (Viana do Castelo) e pediu ajuda na identificação da espécie. O investigador Luís Ceríaco responde.

 

A descoberta que entusiasmou Sandra Pereira aconteceu a 23 de Abril na sua horta, “mais ou menos a 100 metros de um riacho em Monção”, contou à Wilder.

A cobra “media uns 30 centímetros e o colar, que parece branco na fotografia, era amarelo vivo. Linda!”

 

 

A espécie que observou é uma cobra-de-água-de-colar-mediterrânica (Natrix astreptophora).

Espécie identificada por: Luís Ceríaco, especialista em répteis e investigador do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto.

A cobra que encontrou é um juvenil, explicou Luís Ceríaco.

Em muitas regiões da Europa, a cobra-de-água-de-colar (Natrix natrix) é a espécie de cobra mais comum. Mas a taxonomia das cobras-de-água ainda está relativamente pouco estudada.

Há alguns anos, foi feita uma descoberta entusiasmante. “Até há pouco tempo, esta era considerada uma subespécie da cobra-de-água-de-colar (Natrix natrix), mas estudos recentes demonstraram que a população ibérica é diferente e tem estatuto de espécie”, explicou Luís Ceríaco. Foi, então, reconhecida como cobra-de-água-de-colar-mediterrânica (Natrix astreptophora).

Num artigo científico publicado em 2016, uma equipa de investigadores recomendou que esta cobra fosse reconhecida como uma espécie diferente. “A Natrix astreptophora difere, consistentemente, de todas as outras cobras-de-água pela coloração avermelhada da íris, por ter menos escamas ventrais e por ter outra morfologia do crânio”, escreveram os autores do artigo.

 

 

A cobra-de-água-de-colar-mediterrânica (Natrix astreptophora) é uma boa nadadora.

Pode ultrapassar os 150 centímetros de comprimento total, sendo as fêmeas habitualmente maiores que os machos, segundo o Museu Virtual da Biodiversidade da Universidade de Évora.

“A coloração dorsal é variável, variando entre o verde-oliváceo, o acinzentado, o acastanhado ou mesmo o pardo; exibe um padrão de pequenas manchas negras irregulares, espalhadas ao longo do corpo.”

Os juvenis, como este que a leitora Sandra Pereira encontrou na sua horta, “exibem duas manchas no pescoço que formam um colar amarelado e orlado de negro, sendo esta a característica responsável pelo seu nome vulgar. Esse colar desaparece à medida que o indivíduo cresce”.

 

Agora é a sua vez.

Encontrou um animal ou planta que não sabe a que espécie pertence? Envie-nos para o nosso email a fotografia, a data e o local. No caso de plantas, deve enviar fotos de pormenor das folhas, frutos e flores (se houver), se possível também tiradas contra o céu. Trabalhamos com uma equipa de especialistas que o vão ajudar.

Explore a série “Que espécie é esta?” e descubra quais as espécies que já foram identificadas, com a ajuda dos especialistas.