Que espécie é esta: pénis-de-cão

A leitora Diana Teixeira de Carvalho fotografou um estranho fungo em Grijó, a 11 de Novembro, e pediu ajuda na identificação. A associação Ecofungos responde.

“Encontrei este animal/planta/fungo no meu relvado, em Grijó, Vila Nova de Gaia, e nunca havia aparecido antes”, escreveu a leitora à Wilder. “É uma zona do relvado aberta, sem sombras de outras árvores, onde costumam vir comer na relva gaios, melros, petos-verde, gralhas, pegas rabudas e poupas, entre os pássaros mais pequenos e habituais.” 

Trata-se de um fungo da espécie pénis-de-cão (Mutinus caninus).

Espécie identificada e texto por: Ecofungos – Associação Micológica.

A espécie que a leitora fotografou no seu jardim é muito curiosa por vários motivos, a começar pelo nome (“Pénis de cão”).

Trata-se de uma espécie inserida num grupo de fungos que na sua evolução adotou uma estratégia de sobrevivência interessante: mimetiza a carne em putrefação (cor e cheiro), atraindo insetos necrófagos.

Os esporos são liquefeitos, na sua maturação, e ficam impregnados no corpo dos insectos que por ali passam. Deste modo, estes insectos contribuem para a dispersão dos esporos da espécie transportando-os para distâncias muito consideráveis.

Esta espécie, a Mutinus caninus, assemelha-se a outras que já identificámos aqui, como por exemplo, a Phallus impudicus e a gaiola-de-bruxa (Clathrus ruber), que desenvolveram a mesma estratégia de dispersão dos seus esporos.

Esta espécie desenvolve-se inicialmente sob a forma de um ovo gelatinoso, que se irá manter até à maturação final do fruto (cogumelo). Este ovo fica no solo e disponibiliza a humidade necessária ao cogumelo para que se mantenha  fresco por mais tempo, a fim dos seus esporos serem transportados.

É uma espécie sapróbia ou decompositora.


Agora é a sua vez.

Encontrou um animal ou planta que não sabe a que espécie pertence? Envie para o nosso email a fotografia, a data e o local. Trabalhamos com uma equipa de especialistas que o vão ajudar.

Explore a série “Que espécie é esta?” e descubra quais as espécies que já foram identificadas, com a ajuda dos especialistas.