A leitora Rosário Gordalina estava na margem de uma ribeira quando fotografou uma planta diferente, a 1 de Novembro, e decidiu pedir ajuda na identificação. O Jardim Botânico da Universidade de Coimbra responde.

 

“Encontrei esta planta na aldeia de Santa Clara-a-Velha (Odemira), na margem da ribeira, e gostaria de saber mais sobre ela”, explicou Rosário Gordalina à Wilder.

 

Frutos da Gomphocarpus fruticosus.

Frutos da sumaúma-bastarda (Gomphocarpus fruticosus). Foto: Rosário Gordalina

 

Trata-se de uma planta conhecida por sumaúma-bastarda, sedas ou algodoeiro-falso, entre outros nomes, com o nome científico Gomphocarpus fruticosus.

Espécie identificada e texto por:  Jardim Botânico da Universidade de Coimbra (JBUC), que tem a decorrer um projecto de consultas botânicas para o qual poderá enviar todas as perguntas e dúvidas que tiver sobre as plantas (consultorio.botanico@uc.pt).

Embora sendo uma planta com origem fora de Portugal, já se naturalizou e pode ser encontrada em estado selvagem, tanto no Continente como nos arquipélagos da Madeira e Açores.

É uma espécie nativa do Sul de África, foi cultivada para a produção de fibras têxteis e é usada como ornamental em jardins.

 

Flores da sumaúma-bastarda

Flores da sumaúma-bastarda (Gomphocarpus fruticosus). Foto: F. Clamote/Flora-On

 

Em Portugal, pode ver-se principalmente nas margens de algumas ribeiras, por ser aí que encontra as condições mais favoráveis para o seu crescimento.

Esta espécie é também o principal hospedeiro da borboleta-monarca (Danaus plexippus), tendo-se já encontrado populações reprodutoras desta borboleta no Algarve e no Baixo Alentejo Litoral, como contava uma notícia do jornal Público, em Agosto de 2004.

 

uma borboleta-monarca, de perfil

Borboleta-monarca (Danaus plexippus). Foto: Qoatl/Wiki Commons

 

A sumaúma-bastarda é difícil de distinguir de uma outra planta que já foi aqui identificada, pertencente ao mesmo género, a Gomphocarpus physocarpus, conhecida por paina-da-seda ou paineirinha. Essa espécie é igualmente usada para criar as lagartas da borboleta-monarca.

 

Agora é a sua vez.

Encontrou um animal ou planta que não sabe a que espécie pertence? Envie-nos para o nosso email a fotografia, a data e o local. No caso de plantas, deve enviar fotos de pormenor das folhas, frutos e flores (se houver), se possível também tiradas contra o céu. Trabalhamos com uma equipa de especialistas que o vão ajudar.

Explore a série “Que espécie é esta?” e descubra quais as espécies que já foram identificadas, com a ajuda dos especialistas.

E já que está aqui, temos uma coisa para lhe dizer. Queremos continuar a oferecer-lhe histórias e notícias inspiradoras todos os dias, mas para isso gostávamos de ter o seu apoio. Saiba como.