Foto: Ana Castro

Que espécie é esta: viúva-de-patas-vermelhas

Naturalistas locais

A leitora Ana Castro encontrou esta aranha a 30 de Setembro no Entroncamento e quis saber qual a espécie a que pertence. Luis Crespo responde.

 

Ana Castro encontrou esta aranha em casa. “Estava no chão e já sem vida. Ao início achei interessante, pois nunca tinha visto nenhuma assim, com “um feijão agarrado” (como diz a minha filha do meio)…”, contou à Wilder.

“Mas comecei a pesquisar e só vejo aranhas venenosas e perigosas e que nem são de cá. Como costumo comprar paletes de bananas bio, que vêm da Costa Rica, lembrei-me que pudesse ter vindo daí… e estou assustada!”

 

 

A espécie que observou é uma aranha viúva-de-patas-vermelhas (Steatoda nobilis).

Espécie identificada por: Luis Crespo, entomólogo na Universidade de Barcelona, através da Sociedade Portuguesa de Entomologia.

A aranha que encontrou é uma das espécies de aranhas mais comuns em Portugal, segundo o portal Naturdata.

O animal que observou é uma fêmea. Nesta espécie, o corpo das fêmeas tem entre nove a 14 milímetros de comprimento, sendo maiores do que os machos (entre sete e 11 milímetros).

As aranhas viúvas-de-patas-vermelhas vivem em árvores, pedras e casas e fazem as suas teias para capturar as presas – como vespas, moscas e abelhas – em zonas abrigadas.

Os machos são adultos durante a Primavera e Verão, altura em que abandonam as teias e se deslocam em busca das fêmeas, ainda de acordo com o Naturdata.

Esta é uma espécie inofensiva. “Apesar de ser uma das aranhas mais comuns e com maior contacto com o Homem, não se conhece nenhum caso confirmado da picada desta aranha”, segundo aquele portal.

De um modo geral tende a fugir e a esconder-se. Mas se for muito provocada pode pode causar uma “picada” dolorosa.

 

Agora é a sua vez.

Encontrou um animal ou planta que não sabe a que espécie pertence? Envie-nos para o nosso email a fotografia, a data e o local. Trabalhamos com uma equipa de especialistas que o vão ajudar.

Explore a série “Que espécie é esta?” e descubra quais as espécies que já foram identificadas, com a ajuda dos especialistas.