O ilustrador naturalista Marco Nunes Correia abre os seus cadernos de campo e mostra-nos o que o fascina na natureza portuguesa. São desenhos, esboços ou aguarelas onde regista as estações do ano. Uma por semana.

 

 

Este desenho foi feito ao fim do dia de 17 de Março último, na muralha do castelo de Óbidos, do lado poente.

“Como tinha acabado de passar por uma tentativa frustrada de registar uma paisagem urbana, do casario dentro das muralhas, resolvi salvar o dia, dentro da minha zona de conforto, com mais um registo de plantas”, descreve o ilustrador.

“Comecei pela espécie do meio, a qual não via há algum tempo, a Cymbalaria muralis. Recordo-a sobretudo da minha infância, a pender das paredes velhas, com a caliça a desfazer-se.”

A seguir, Marco Nunes Correia explica como construiu esta aguarela.

 

 

“Como já é hábito, começo por uma aguada com pigmento muito diluído, apanhando a forma geral da planta. Seguindo aproximadamente os tons de cada parte da planta, prossigo com mais duas ou três camadas, com tons respetivamente mais escuros, por forma a definir alguns detalhes.”

“Repeti o processo para representar as Bocas-de-lobo, concluíndo esta sessão de desenho com uma sugestão de sombra projetada.”

“Como estava a ficar com pouca luz, optei por captar várias fotos da outra planta para terminar a composição mais tarde. Para manter a espontaneidade do momento anterior, procurei um registo mais solto com aguadas de azul indigo a recortar o verde e amarelo da planta, sugerindo um efeito desfocado para destacar o primeiro plano.”

 

 

E para concluir, as legendas. “Aproveito sempre para aprender mais qualquer coisa, acrescentando as respetivas legendas… só então considero o desenho terminado.”

 

Saiba mais.
Marco Nunes Correia, de Alcobaça, é professor na Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha. É membro do Grupo do Risco e especializou-se em desenho de natureza.