É professor de Educação Física e empresário, vive em Vendas Novas e aproveita todas as oportunidades para fotografar o mundo natural que tanto admira. Aos 37 anos, Jacinto Policarpo venceu o concurso Fotógrafo de Natureza do Ano 2019.

 

WILDER: Como surgiu a fotografia que venceu o concurso GENERG – Fotógrafo de Natureza do Ano?

Jacinto Policarpo: A fotografia deste corvo-marinho-de-crista (Phalacrocorax aristotelis) foi tirada na Costa Vicentina, na Primavera de 2018. Foi num dos meus passeios pela zona, que conheço desde criança. O meu pai é da região e passo muito por lá. Naquele dia ia com o intuito de fotografar outra espécie, a cegonha-branca, para o projecto “A Costa das Cegonhas”, do Realces (projecto de seis fotógrafos de natureza que partem à descoberta de um país através de dez missões para retratar a beleza natural). Mas depois vi o corvo-marinho, naquela parede rochosa praticamente na vertical, ao amanhecer. Achei piada à imagem que vi. Foi muito feliz o corvo-marinho-de-crista, uma ave de tons escuros, estar pousado numa zona de rocha branca daquela parede que estava toda à sombra, num grande contraste de cor entre pretos e brancos. A imagem disse-me algo.

 

 

W: O que significa para si a distinção do Fotógrafo de Natureza do Ano?

Jacinto Policarpo: Ser escolhido como Fotógrafo de Natureza do Ano é uma honra imensa e sinto muito orgulho. Há vários encontros e concursos de fotografia em Portugal mas o Cinclus é o marco na fotografia de natureza em Portugal. Acho que este é o concurso mais importante a nível nacional.

 

W: Como e quando começou a fotografar a natureza?

Jacinto Policarpo: Sempre me encantou ver imagens de natureza e lembro-me de gostar de ver documentários de vida selvagem aos domingos com o meu pai. Comecei pela pintura, a óleo, aguarela e pastel, sempre com uma vertente natural. Mas a pintura não era imediata. Nunca me sentia preenchido. Comecei então a fotografar, em 2008. Nunca tirei cursos, aprendi a fotografar sozinho, no modo manual. Quando começamos e o bichinho está em nós, fotografamos tudo o que mexe, seja pardal ou abutre, pinheiro ou orquídea. E tentamos o nosso melhor. É preciso muita persistência e empenho. Quando já temos alguma experiência, escolhemos caminhos diferentes e criamos um estilo próprio de imagem.

 

Foto: Nuno Cabrita

 

W: Houve algum momento inspirador que o tenha marcado?

Jacinto Policarpo: Não posso dizer que tenha havido um momento. Tive, sim, a influência de vários autores, em especial o Vincent Munier (fotógrafo francês de vida selvagem), uma grande referência para mim. Não tento imitá-lo mas bebo muito do que ele faz. Como, por exemplo, imagens com muito ambiente. Gosto de incluir a espécie que estou a fotografar no seu ambiente. Um exemplo disso foi quando trabalhei três anos com veados, a fotografar durante a brama, entre Agosto e Setembro. Como nessa altura os animais estão mais activos durante a noite, fotografava quase sempre sem luz, a pé.

 

W: Hoje o que mais gosta de fotografar?

Jacinto Policarpo: Infelizmente não sou fotógrafo profissional. Como o tempo escasseia, a fotografia tem de se ir encaixando no meu dia-a-dia. Actualmente fotografo mais por projectos, como o Realces ou projectos pessoais. Tento esgotar ao máximo as oportunidades que tenho.

 

Saiba mais.

Conheça aqui os melhores fotógrafos de natureza portugueses de 2019.

Descubra mais sobre a fotografia de natureza de Jacinto Policarpo aqui.

 

Precisamos de pedir-lhe um pequeno favor…

Se gosta daquilo que fazemos, agora já pode ajudar a Wilder. Adquira a ilustração “Menina observadora de aves” e contribua para o jornalismo de natureza. Saiba como aqui.