ovo
Ovo de pata-roxa. Foto: MARE

Estamos todos convidados a procurar ovos de tubarões e de raias

A nova ‘app’ “A Grande Caça aos Ovos”, agora lançada em Portugal, ajuda todos os interessados a identificarem e a registarem a que espécie pertencem os ovos de tubarão ou de raia encontrados na praia.

“Através desta aplicação de telemóveis grátis, qualquer um pode ter um papel relevante na protecção destas espécies”, explicou em comunicado o Oceanário de Lisboa, que apoia o projecto.

O objectivo é envolver todos os cidadãos no uso da nova ferramenta, apoiando os cientistas que procuram saber mais sobre as espécies que ocorrem ao longo da costa portuguesa.

A nova ferramenta ajuda a identificar os ovos de três espécies de tubarões e de seis espécies de raias – incluindo o tubarão pata-roxa, a raia-curva e a raia-de-são-pedro – com imagens e uma chave que guia a identificação de cada ovo, passo a passo.

Responde ainda a curiosidades comuns sobre as espécies em causa, com informação sobre os locais onde ocorrem, a forma de reprodução e aquilo que comem, entre outras. E oferece dicas sobre como preparar e recuperar um destes ovos, pois muitas vezes quando alguém os acha na areia estão demasiado desidratados.

Lançada originalmente em 2014, a nova ‘app’ surgiu no âmbito de um projecto da Shark Trust, sediada no Reino Unido, e foi baptizada na altura de “Great Eggcase Hunt“. Desde então, este projecto de ciência cidadã tem 245.000 registos na versão inglesa, submetidos em 22 países, de 10 espécies de raias e 3 tubarões – incluindo registos na costa portuguesa.

Quanto à nova versão em português, foi trazida para Portugal pelo projecto Shark Attract, um dos vencedores da primeira edição do Fundo para Conservação dos Oceanos, do Oceanário de Lisboa e Fundação Oceano Azul.

Shark Attract quer identificar os aspectos mais problemáticos e as medidas para os mitigar, no que respeita à conservação de tubarões e de raias em Portugal. E sensibilizar a sociedade – desde a comunidade piscatória ao público generalizado – para estas espécies e para o ambiente marinho.

Acção de lançamento da nova ‘app’ em Portugal. Foto: MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente

No lançamento da versão portuguesa da ‘app’, estiveram cerca de 70 crianças do 3º e 4º anos de uma escola de Peniche. “Depois de uma introdução sobre as espécies de tubarões e raias, as crianças colaboraram na “caça” aos ovos na praia. Foram encontrados e registados na ‘app’ todos os 137 ovos encontrados nesta ação”, conta o mesmo comunicado.

Os ovos registados para já em Portugal são maioritariamente das espécies raia-curva, raia-lenga e tubarão pata-roxa – três espécies que podem ser observadas no Oceanário de Lisboa. Existem também registos de raia-zimbreira, raia-manchada, raia-de-são-pedro e raia-pontuada.

[divider type=”thin”]

Quer descarregar a ‘app’? Se procurar por “Grande Caça aos Ovos” é provável que encontre, mas também pode fazer a busca pelo nome original, “Great Eggcase Hunt”. Depois de fazer o ‘download’, seleccione o país onde está e a língua que pretende, sendo que a língua portuguesa está agora disponível.

Conheça mais sobre a nova ‘app’ e também sobre outras iniciativas do Shark Attract no site do projecto.

E já agora, recorde cinco factos sobre os mais de 70 tubarões que habitam o Oceanário de Lisboa, neste artigo da Wilder.

Inês Sequeira

A minha descoberta do mundo começou nas páginas dos livros. Desde que aprendi a ler, devorava tudo o que eram livros e enciclopédias em casa. Mais tarde, nos jornais, as minhas notícias preferidas eram as que explicavam e enquadravam acontecimentos que de outra forma seriam compreendidos apenas pelos especialistas. E foi com essa ânsia de aprender e de “traduzir” o mundo que me formei como jornalista. Comecei em 1998 na área de Economia do PÚBLICO, onde estive 14 anos a escrever sobre transportes, aviação, energia, entre outros temas. Fui também colaboradora do Jornal de Negócios e da agência Lusa. Juntamente com a Helena Geraldes e a Joana Bourgard, ajudei em 2015 a fundar a Wilder, onde finalmente me sinto como “peixe na água” e trabalho para um mundo melhor. Aqui escrevo sobre plantas, animais, espécies comuns e raras, descobertas científicas, projectos de conservação, políticas ambientais e pessoas apaixonadas por natureza. Aprendo e partilho algo novo todos os dias.