Medusa-veleiro. Foto: Pedro Marrecas

GelAVista: Em 2019 viram-se mais medusas na costa portuguesa

Ciência Cidadã

A Wilder falou com Antonina dos Santos, coordenadora do GelAVista, e dá-lhe a conhecer os principais resultados obtidos por este projecto de ciência cidadã.

O ano de 2019 foi “bastante diferente em relação aos padrões que vínhamos a observar”, explica Antonina dos Santos, que está à frente deste projecto do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Desde Fevereiro de 2016 que o GelAVista reúne e estuda informação, com base nas contribuições de cidadãos, sobre as espécies de medusas e de outros organismos gelatinosos na costa portuguesa. Desde então obtiveram mais de 5.800 avistamentos registados comunicados por um total de 800 observadores, muitos deles turistas e estrangeiros residentes em Portugal.

Para já, em 2019 sabe-se que houve “um número superior de avistamentos da maior parte das espécies”, tanto em Portugal Continental como nos Açores e Madeira, indica a coordenadora do GelAVista.

Um exemplo é a caravela-portuguesa (Physalia physalis), que esteve no “top 3” dos avistamentos em Portugal Continental. Houve mesmo vários alertas de ajuntamentos destes organismos perigosos para a saúde humana, como aconteceu em Maio e Dezembro.

Caravela-portuguesa. Foto: Rhalah

Tal como a medusa Velella velella (conhecida como “veleiro”) – outra do “top 3” – a caravela-portuguesa foi também muito observada ao longo do ano. “Especialmente em Julho, mês em que não tínhamos tido ainda qualquer registo destas espécies nos anos anteriores.”

O mesmo sucedeu com a Catostylus tagi, conhecida por medusa-do-Tejo e também entre as três mais observadas: “Foi avistada todo o ano, não se tendo verificado a ausência entre Abril e Maio, habitual em anos anteriores”.

Medusa-do-Tejo. Foto: Fernando Mendes Pedro

Mais águas-vivas e uma novidade na Madeira

Já na Madeira, houve um maior número de avistamentos de águas-vivas (Pelagia noctiluca) – uma medusa bioluminescente e muito urticante – num período mais alargado do que noutros anos. Foi a espécie ali mais avistada.

Também aqui se avistaram mais caravelas-portuguesas do que noutros anos. Extremamente urticantes, os tentáculos das caravelas podem chegar aos 30 metros de comprimento. Ocorreram principalmente entre Fevereiro e Julho, com maior incidência em Maio.

Ainda na Madeira, há uma medusa que surge cada vez mais: “A medusa-ovo-estrelado (Phacellophora camtschatica), espécie para a qual já existia um registo em 2018, mas que no corrente ano foi observada diversas vezes, entre Abril e Setembro.”

Medusa-ovo-estrelado. Foto: Tiago Dias

Esta medusa com campânula de tom amarelado semelhante à cor da gema do ovo – daí o seu nome comum – alimenta-se de outras medusas. Tem um poder urticário muito fraco, pelo que muitas vezes podem ver-se pequenos camarões a “apanhar boleia” na sua campânula.

Também nos Açores, a caravela-portuguesa foi avistada com uma frequência maior: uma média de 40 avistamentos comunicados por mês entre Maio e Agosto, quando noutros anos eram cerca de 10. Esta foi aliás a espécie mais comum no arquipélago.

Águas-vivas no Verão, veleiros na Primavera e Inverno

Com base nos dados transmitidos por observadores ao longo de quase quatro anos, o GelAVista tem também conseguido “perceber algumas tendências na sazonalidade”, acrescenta Antonina dos Santos.

Por exemplo? “Observam-se espécies que ocorrem principalmente nos meses mais quentes, como a Chrysaora hysoscella e a Pelagia noctiluca (água-viva), e outras espécies para as quais temos registos ao longo de praticamente todo o ano, como no caso da Catostylus tagi (medusa-doTejo).”

Em contrapartida, explica a coordenadora do GelAVista, a Velella velella (veleiro) está mais visível “nos meses de Inverno e Primavera, que geralmente correspondem a alturas de maior agitação marítima e regimes de ventos mais fortes, os quais constituem a principal força motriz para a sua dispersão”.

Medusa-veleiro. Foto: Sílvia Lourenço

Ainda assim, são necessários mais dados e mais anos de observações para que seja possível perceber as tendências de ocorrência destas espécies, avisa a coordenadora do GelAVista. Tal como para confirmar a influência das alterações climáticas, por exemplo.

Apps GelAVista são uma das prioridades

Quanto aos próximos anos do GelAVista, desenvolver novas aplicações para ‘smartphones’ nos sistemas Android e iOS é uma das prioridades do projecto. Para já, existe “uma aplicação para sistemas Android, que permite o envio de avistamentos de forma mais fácil.”

A equipa pretende também continuar a divulgar os dados obtidos junto do público em geral, o que inclui a realização de encontros anuais com os observadores. O mais recente aconteceu em Novembro no Funchal, ilha da Madeira.

Outro objectivo: continuar a “partilhar o conhecimento com a comunidade científica, para a qual existem ainda muitas questões por resolver sobre a ecologia destes organismos”, adianta Antonina dos Santos.

Além da participação em congressos e encontros científicos, nacionais e internacionais, “com os dados recolhidos continuamos a preparar e publicar artigos científicos, acerca da biologia e ecologia das espécies de organismos gelatinosos que ocorrem na costa portuguesa.”

A equipa do GelAVista, no âmbito do IPMA, conta com cinco investigadores e técnicos responsáveis pela produção de ciência a partir dos dados enviados por observadores. Na Madeira, a equipa do projecto trabalha na Estação de Biologia Marinha do Funchal. Quanto aos Açores, o GelAVista conta com a colaboração do Observatório do Mar dos Açores.


Saiba mais.

Siga o GelAVista no Facebook, para ir acompanhando as novidades do projecto.