Reino Unido: Lesmas e caracóis deixam de ser considerados pestes em jardins

Foto: Emőke Dénes/Wiki Commons

A maior associação de jardinagem no país, a Royal Horticultural Society, afirma agora que estes e outros pequenos invertebrados têm um “papel importante” na manutenção de ecossistemas saudáveis e vai trabalhar para uma relação positiva dos horticultores com estas espécies.

Uma simples pesquisa por “caracóis e lesmas” na Internet produz dezenas de sugestões sobre as maneiras mais eficazes de afastarmos estas “pestes” das hortas e jardins. Mas será que estes animais são realmente inimigos dos espaços verdes?

A Royal Horticultural Society (RHS) considera que não e adianta que apenas nove das 44 espécies de lesmas e caracóis conhecidas no país comem plantas de jardim, segundo uma notícia publicada esta sexta-feira pelo The Guardian. A jardinagem é uma das principais ocupações de tempo livre dos britânicos.

Na verdade, caracóis e lesmas “têm um papel importante na jardinagem amiga do planeta e na manutenção de um ecossistema saudável”, sublinhou o entomólogo principal da RHS, Andrew Salisbury, citado pelo jornal.

Lesma-leopardo. Foto: Holger Krisp/WikiCommons

Uma das principais tarefas destes animais invertebrados é precisamente a reciclagem da matéria morta nos espaços verdes, uma vez que ajudam a transformar as folhas e outras partes de plantas já secas em terra, novamente.

“A RHS está muito ciente do papel que os jardins têm no apoio à biodiversidade e por isso não irá mais nomear qualquer vida selvagem no jardim como ‘peste'”, afirmou o mesmo responsável. “Em vez disso, haverá grande consideração e vamos focar-nos no papel que lesmas, afídios e lagartas têm num ecossistema equilibrado no jardim, em conjunto com outra fauna selvagem mais popular como aves, toupeiras e rãs.”

Joaninha-de-sete-pontos. Foto: Syrio/Wiki Commons

Assim, a associação vai procurar contribuir para uma visão positiva sobre espécies mal amadas pelos jardineiros, incluindo formigas, joaninhas e vespas, acrescentou. Muitos destes invertebrados são por exemplo um alimento importante para as crias de aves como os chapins. Já as vespas e as joaninhas alimentam-se de afídios.

A RHS costuma publicar todos os anos o “top ten” das “pestes” que motivaram mais queixas entre os membros da associação. Mas a partir de agora, “entre as emergências do clima e da biodiversidade, é tempo de aceitarmos graciosamente, aliás encorajarmos activamente, mais desta vida dentro dos nossos jardins”, apelou Salisbury, num artigo de opinião.

Assim, em vez de “armadilhas mortais” para caracóis e lesmas, a associação propõe que se coloquem plantas favoritas desses gastrópodes ao pé de locais onde estes se concentram no jardim, para evitar que se vão alimentar dos vegetais, por exemplo. Ou então, entre várias outras propostas, apanhar os pequenos invertebrados e colocá-los dentro de um contentor de compostagem no jardim, onde serão uma ajuda preciosa.


Saiba mais.

Recorde estas seis espécies de lesmas que pode observar em Portugal, de preferência em dias com maior humidade. E descubra como está a ser travada a extinção de quatro caracóis do arquipélago da Madeira.

Inês Sequeira

A minha descoberta do mundo começou nas páginas dos livros. Desde que aprendi a ler, devorava tudo o que eram livros e enciclopédias em casa. Mais tarde, nos jornais, as minhas notícias preferidas eram as que explicavam e enquadravam acontecimentos que de outra forma seriam compreendidos apenas pelos especialistas. E foi com essa ânsia de aprender e de “traduzir” o mundo que me formei como jornalista. Comecei em 1998 na área de Economia do PÚBLICO, onde estive 14 anos a escrever sobre transportes, aviação, energia, entre outros temas. Fui também colaboradora do Jornal de Negócios e da agência Lusa. Juntamente com a Helena Geraldes e a Joana Bourgard, ajudei em 2015 a fundar a Wilder, onde finalmente me sinto como “peixe na água” e trabalho para um mundo melhor. Aqui escrevo sobre plantas, animais, espécies comuns e raras, descobertas científicas, projectos de conservação, políticas ambientais e pessoas apaixonadas por natureza. Aprendo e partilho algo novo todos os dias.