Foto: Wilder/arquivo

As exposições em Portugal que nos inspiram

A não perder

Aqui poderá descobrir quais as exposições temporárias que lhe mostram o mundo natural mais de perto ou como nunca o viu, graças à arte de fotógrafos, ilustradores e naturalistas portugueses. Pequenas maravilhas dentro de portas que nos inspiram.

 

 

Vida no Sapal de Castro Marim e VRSA:

Quando: até 31 de Março de 2017

Onde: Casa do Sal – Castro Marim.

Visite esta exposição de cerca de 80 fotografias sobre a vida na Reserva Natural do Sapal de Castro Marim e Vila Real de Santo António (RNSCMVRSA), nomeadamente as numerosas espécies de aves aquáticas que por lá passam, legitimando o seu estatuto de zona húmida de importância internacional, que lhe é conferido pela Convenção de Ramsar.

A mostra resulta de muitas horas e dias de espera e observação de Agostinho Manuel Soromenho Gomes, natural de Castro Marim e residente em Vila Real de St. António e que se dedica, desde os anos 80, à avifauna da região do Baixo Guadiana. Com esta exposição, pretende sensibilizar para a biodiversidade e necessidade de proteção das espécies existentes nesta área protegida.

Horários:

Todos os dias, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

 

Mini-insectos em Ordem:

Quando: até 28 de Abril de 2017

Onde: Centro de Educação Ambiental Quinta do Passal (Gondomar)

Nesta exposição interactiva – criada no âmbito do programa “Mundo na Escola”, em parceria com o Museu Nacional de História Natural e da Ciência – será desafiado a ser biólogo por uma hora. A mostra inclui exemplares de mais de 50 espécies de insectos. À entrada, cada participante recebe um exemplar de um insecto conservado em resina e a sua missão é identificar a que Ordem pertence (libélulas, borboletas, gafanhotos, besouros, etc). A área expositiva lembra um labirinto, onde é preciso ir fazendo escolhas até chegar à identificação final.

Horários:

10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30 (encerra aos Domingos)

 

 

Plasticus maritimus:

Quando: até 16 de Maio de 2017

Onde: Centro de Interpretação Ambiental Pedra do Sal, em Cascais

A exposição retrata uma espécie exótica e inovadora que tem proliferado em todos os oceanos e praias do mundo: o lixo plástico. Aqui poderá ver apenas uma pequena amostra das capturas realizadas ao longo de um ano nas praias de Cascais. Tal como acontece num Museu de História Natural, também neste caso se optou pela sua apresentação sob forma de coleções ou, em alguns casos, por conjuntos de cores. Espera-se assim, que os visitantes tenham uma maior perceção de diversidade e quantidade de objetos que vão dar às nossas praias, esperando torná-los mais sensíveis às boas práticas que podem contribuir para minimizar o problema.

Horários:
Terça a sexta-feira: 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00
Sábado e Domingo: 10h00 às 13h00 das 14h00 às 18h00
Feriado: 14h00 às 17h00

Conheça aqui Ana Pêgo, a bióloga marinha que criou o projecto “Plasticus maritimus”. Saiba por que passeia pelas praias do concelho de Cascais em busca de plástico que converte em arte.

 

 

Point of View:

Quando: até 26 de Maio de 2017

Onde: Parque da Pena (Sintra)

Esta é uma exposição colectiva de arte contemporânea com uma série de instalações estrategicamente colocadas em diferentes pontos do Parque da Pena. Reúne dez artistas de diferentes nacionalidades, reconhecidos internacionalmente: Alberto Carneiro (Portugal), Alexandre Farto/Vhils (Portugal), Antonio Bokel (Brasil), Bosco Sodi (México), Gabriela Albergaria(Portugal), João Paulo Serafim (Portugal), NeSpoon (Polónia), Nils-Udo (Alemanha), Paulo Arraiano (Portugal) e Stuart Ian Frost (Reino Unido). Nas instalações foram utilizados sobretudo materiais naturais existentes no próprio Parque. O grande objectivo é enriquecer a experiência dos visitantes ao levá-los a “perderem-se” no Parque, explorando as suas diferentes perspetivas e “pontos de vista”.

 

Coexistir com os grandes carnívoros: O Desafio e a Oportunidade:

Quando: até 31 de Maio de 2017

Onde: Parque Tejo – Centro de Acolhimento e Interpretação do Tejo (Abrantes)
Visite a exposição com vários painéis com informação reunida por vários peritos internacionais sobre as quatro grandes espécies de carnívoros que vivem na Europa: Urso-pardo (Ursus arctos), Lobo (Canis lupus), Glutão (Gulo gulo) e Lince euro-asiático (Lynx lynx). Esta exposição foi inaugurada em Maio de 2015 no Museu Nacional de História Natural e da Ciência e, desde então, tem percorrido várias cidades. Até final de Maio está em Abrantes, com a mensagem de que a coexistência entre estes grandes carnívoros e os humanos é bem possível.

Horários:

Todos os dias, das 09h00 às 17h30.

Saiba mais sobre esta exposição aqui.

 

 

Solo: Tesouro aos nossos pés: 

Quando: até 2 de Junho de 2017

Onde: Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental de Vila do Conde

A Exposição “Solo: Tesouro aos nossos pés” pretende dar a conhecer a toda a população este recurso tão precioso, o solo, através de 12 painéis. Através deles poderá fazer uma viagem mágica aos tesouros escondidos nos solos, ficando a saber mais sobre geologia, biologia, floresta, qual a ocupação dos solos em Vila do Conde, bem como sobre as suas áreas protegidas, a arqueologia e maiores ameaças.

Horários: 

Segunda a sexta-feira: 10h00-12h30 e 14h00-18h00.

Já conhece a petição a decorrer até Setembro deste ano, para travar a perda de solo fértil na Europa? A Wilder falou com a responsável portuguesa e conta-lhe aqui como pode ajudar.

 

 

Florestas Submersas:

Quando: até 22 de Outubro de 2017

Onde: Oceanário de Lisboa

Visite o maior “nature aquarium” do mundo, com 40 metros de comprimento e 160 mil litros de água doce, criado pelo japonês Takashi Amano (1954-2015). Aqui vivem mais de dez mil peixes e 46 espécies de plantas aquáticas. A obra do aquascaper japonês, que recria um rio tropical, pretende envolver os visitantes numa experiência “de contemplação e conservação da natureza, no seu estado mais puro de equilíbrio”, segundo o Oceanário. As florestas tropicais são dos habitats mais ricos e diversos da Terra, apesar de ocuparem menos de 6% da superfície do planeta. Apesar da sua importância ecológica, estes habitats são, provavelmente, dos mais ameaçados do mundo.

Horários: das 10h00 às 19h00

Veja aqui o making of desta exposição.

 

 

Francisco Arruda Furtado, discípulo de Darwin:

Quando: até 31 de Dezembro de 2017

Onde: Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Lisboa

Conheça um dos mais importantes naturalistas portugueses do século XIX, Francisco Arruda Furtado (1854-1887) e mergulhe no espírito da época. Três salas vão mostrar-lhe a relação de Arruda Furtado com Charles Darwin, a vida e obra do português e o que estudou sobre os Açores, arquipélago onde nasceu.

Horários:

Terça a sexta-feira: 10h00 às 17h00
Fim-de-semana: 11h00 às 18h00
Encerra à segunda-feira e feriados.

Estivemos na inauguração desta exposição. Saiba como foi.

 

 

Adaptações Botânicas:
Quando: até 31 de Dezembro de 2018

Onde: Estufa do Jardim Botânico de Lisboa

Descubra como alguns dos grupos mais fascinantes de plantas – as carnívoras, as stapelias e as orquídeas – se têm adaptado ao longo da evolução. Conheça as estratégias que desenvolveram para colonizar diferentes tipos de habitats e para obter nutrientes, para se protegerem de predadores e para atrair polinizadores. É graças a esta grande diversidade de adaptações que as plantas conseguiram ocupar todos os nichos ecológicos, tornando-se um exemplo de sucesso no planeta.

Horários:

Terça a sexta-feira: 10h00 às 17h00
Fim-de-semana: 11h00 às 18h00
Encerra à segunda-feira e feriados.

 

 
Agora é a sua vez.
Sabe de alguma exposição dedicada ao mundo natural que gostasse de ver nesta lista? Envie a sua sugestão para geral@wilder.pt. Obrigada!