Pedro Salgado está a desenhar a vida dos peixes que só conhecemos no prato

Naturalistas

Uma sardinha na noite dos Santos Populares é fácil de reconhecer. O carapau no balcão da peixaria também. Agora, o ilustrador científico Pedro Salgado está a preparar um livro com desenhos que nos fazem mergulhar no oceano e descobrir como vivem 12 das espécies mais comuns da costa de Peniche.

 

O salmonete já vai a mais de meio. Pedro Salgado trabalha no olho e nas barbatanas do peixe, bem diferente dos salmonetes já sem vida em cima do gelo nas bancas das peixarias.

Este salmonete faz parte do livro “Do Mar ao Prato”, ainda em elaboração, que pretende juntar História Natural a receitas gastronómicas e que resulta de uma parceria do ilustrador com a Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar, em Peniche. Ao lado do salmonete vão estar a cavala, sardinha, carapau, robalo, peixe-galo, peixe-porco, lagosta, percebes, polvo, cantaril e tamboril.

Nesta manhã de Abril, Pedro Salgado trabalha no seu atelier, debruçado sobre um estirador à luz de dois candeeiros. Em cima da mesa está a folha de papel vegetal onde ganha vida o salmonete de grafite. Já leva mais de três meses de trabalho no projecto.

 

Pedro Salgado. Foto: Joana Bourgard

Pedro Salgado. Foto: Joana Bourgard

 

“Quero mostrar um pouco da vida destes animais, o seu ciclo de vida. Como as larvas de tamboril ou as crias de polvo, por exemplo”, conta. “Assim, as pessoas podem aproximar-se mais destes seres fantásticos. Acontece conhecermos os bichos mortos mas não os reconhecermos vivos, com as barbatanas no seu devido lugar, por exemplo”.

O livro vai intercalar receitas tradicionais de Peniche, com os peixes da costa, e a sua História Natural, com desenhos da espécie e detalhes curiosos que Pedro Salgado quer contar. “Tento procurar a personalidade de cada animal e transmitir uma sensação de que ele está vivo na página. Por exemplo, com um close-up, com o animal a olhar directamente para nós ou a forma como surge na página”.

O processo

Pedro Salgado trabalha em sessões de três a quatro horas de seguida, com música de fundo para descontrair. Às vezes entusiasma-se e passa mais tempo de volta dos peixes. Mas antes de pegar nas lapiseiras, há muito trabalho a fazer.

 

Foto: Joana Bourgard

Foto: Joana Bourgard

 

“Só trabalho com espécimes vivos”, começa a explicar. “Vou à lota buscar o que está mais fresco. Depois, no próprio dia e o mais depressa possível, tiro várias fotografias, com ângulos diferentes para me darem toda a informação de que preciso”.

 

Foto: Joana Bourgard

Foto: Joana Bourgard

 

De entre as várias fotografias que analisa no monitor do computador, escolhe a fotografia de referência. “Os pormenores que não conseguir ver nessa imagem vou buscar às outras fotografias”, acrescenta.

Começa por fazer os esboços do animal, como as caudas e as barbatanas, e a estudar a anatomia e formas de vida.

 

Fotos: Joana Bourgard

Fotos: Joana Bourgard

 

Todo o processo se centra na grafite, a técnica principal que escolheu usar, sobre papel vegetal ou poliéster. “Os desenhos vão ficar a preto e branco, até para sobressaírem no meio das cores das receitas gastronómicas.”

E depois são várias horas de desenho à vista e com base na fotografia de referência, com várias lapiseiras de grafite. Nas partes mais escuras, como os olhos, usa tinta da China.

Na fase final, Pedro Salgado reforça os brancos com borracha-pão e com guache branco, para dar mais contraste e brilho.

A última coisa a fazer é um tratamento digital para limpar o desenho e ajustar os contrastes. Bem, nem sempre. Segue-se ainda um jantar ou almoço com o modelo cozinhado no prato.

Venha com a Wilder ao atelier de Pedro Salgado.