uma-pequena-ave-no-chão
Foto: Joana Bourgard / Wilder

Bruxelas lança consulta pública sobre recuperação da biodiversidade europeia

A Comissão Europeia lançou esta segunda-feira uma consulta pública online sobre o desenvolvimento de objectivos que serão juridicamente vinculativos para o restauro da biodiversidade europeia.

A definição desses objectivos é uma das principais apostas da Estratégia da União Europeia para a Biodiversidade 2030, publicada em Maio passado, e também do Pacto Verde Europeu.

Em causa está o restauro dos “ecossistemas danificados” da Europa, de forma a “ajudar a aumentar a biodiversidade, mitigar e a facilitar a adaptação às alterações climáticas e prevenir e reduzir os impactos de desastres naturais”, afirma a Comissão Europeia.

“As actividades humanas alteraram significativamente três quartos da superfície terrestre e dois terços dos oceanos no curso das últimas décadas, desestabilizando o nosso clima e os nossos sistemas de suporte à vida”, admitiu por seu turno o comissário para o Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginijus Sinkevičius.

“Restaurar os ecossistemas naturais é uma tripla vitória para a natureza, o clima e as pessoas”, disse também o mesmo responsável, acrescentando que essa iniciativa “vai ajudar a resolver a crise da biodiversidade, a lidar com as alterações climáticas e a lidar com futuras pandemia”, além de “criar empregos e um crescimento sustentável num mundo pós-pandemia”.

Bruxelas pretende dar prioridade aos ecossistemas com maior potencial em várias áreas, nomeadamente na captura e armazenamento de carbono, na prevenção e redução dos efeitos dos desastres naturais, na entrega de mais benefícios como a saúde dos solos e e polinização e ainda no aumento do conhecimento e monitorização dos ecossistemas e dos seus serviços.

Reduzir pressões e reintroduzir espécies nativas

“O declínio da biodiversidade está a reduzir a capacidade dos ecossistemas da Europa para continuarem a providenciar as necessidades humanas e para mitigarem e adaptarem-se às alterações climáticas”, considera também Bruxelas, numa nota sobre a nova iniciativa. “Muitos ecossistemas podem ser restaurados através da redução de pressões em curso (como poluição ou sobre-exploração de recursos) ou através de medidas activas de restauro como a reintrodução de espécies nativas.”

Em causa pode estar, por exemplo, a criação de novas metas a partir de políticas já existentes, mas também em áreas ainda não abordadas a este nível pela legislação europeia, como os solos e os polinizadores.

A nova consulta pública quanto aos objectivos juridicamente vinculativos de restauro da natureza está aberta a todos os interessados e termina a 5 de Abril. Em curso está também uma avaliação de impactos, instrumento a que a Comissão Europeia recorre quando prevê que uma nova política tenha impactos significativos, e que contou com a contribuição de diferentes especialistas. Em causa está uma análise detalhada dos efeitos da futura regulamentação a nível económico, social e ambiental.

Bruxelas prevê apresentar uma proposta de metas no final de 2021, depois de analisados os resultados da consulta pública e da avaliação de impactos.

A consulta pública foi lançada no mesmo dia da One Planet Summit, organizada em conjunto pela França, ONU e o Banco Mundial, cujo tema é a biodiversidade.


Já que está aqui…

Apoie o projecto de jornalismo de natureza da Wilder com o calendário para 2021 dedicado às aves selvagens dos nossos jardins.

Com a ajuda das ilustrações de Marco Nunes Correia, poderá identificar as aves mais comuns nos jardins portugueses. O calendário Wilder de 2021 tem assinalados os dias mais importantes para a natureza e biodiversidade, em Portugal e no mundo. É impresso na vila da Benedita, no centro do país, em papel reciclado.

Marco Nunes Correia é ilustrador científico, especializado no desenho de aves. Tem em mãos dois guias de aves selvagens e é professor de desenho e ilustração.

O calendário pode ser encomendado aqui.