A ave antes de ser libertada em Setembro. Foto: Chris Orsman

Ingleses mapearam rota migratória com mais de 9.600 quilómetros desta rola-brava

Conservação

Investigadores da organização Royal Society for the Protection of Birds (RSPB) conseguiram mapear a rota migratória completa de uma rola-brava entre o Sudeste de Inglaterra e África. A ave viajou mais de 9.600 quilómetros e sobrevoou seis países.

 

A rola-brava (Streptopelia turtur) passou o Inverno em África e regressou a Inglaterra a 5 de Maio, a uma zona localizada a apenas três quilómetros do local onde a ave tinha sido encontrada no ano passado.

Estes dados “ajudam os cientistas a compreender a importância da fidelidade que esta espécie tem para com os seus territórios de reprodução”, explica a RSPB em comunicado.

Todos os Outonos, as rolas-bravas atravessam o Mar Mediterrâneo e o deserto do Saara para chegar aos seus locais de invernada em África. Na Primavera, regressam à Europa para se reproduzir.

No Verão passado, investigadores da RSPB colocaram um transmissor de satélite nesta rola-brava na cidade de Lawford, em Essex. Graças a esse dispositivo conseguiram saber que a ave saiu de Essex em Setembro e viajou mais de 9.600 quilómetros, sobrevoando (ou fazendo curtas paragens) em seis países: França, Espanha, Marrocos, Saara Ocidental, Mauritânia e Mali.

 

 

O arrulhar da rola-brava marca o início desta estação mas, nos últimos anos, este som tem sido mais difícil de ouvir em Inglaterra e em outros países europeus, como Portugal. Segundo a RSPB, esta é uma das espécies que regista um declínio mais rápido em Inglaterra, especialmente desde os anos 1970.

“Estudos científicos têm-nos mostrado que a causa principal para o declínio da rola-brava no Reino Unido é a perda de alimento para as aves nas zonas rurais, devido às alterações na paisagem agrícola”, disse John Mallord, investigador científico na RSPB.

Está em curso a Operação Rola-Brava, uma parceria para reverter esse declínio no Reino Unido, estabelecida entre conservacionistas, agricultores e proprietários de terrenos. Estes disponibilizam habitat para a rola se reproduzir e alimentar no Sul e Sudeste do país, onde ainda nidificam. Além disso, desde 2012, a RSPB tem utilizado tecnologia de seguimento por satélite para saber mais sobre as pressões que esta ave enfrenta durante as migrações e nos seus locais de invernada.

A nível internacional, a rola-brava passou, em 2015, de espécie com estatuto Pouco Preocupante para Vulnerável pela Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN). Estima-se que, na última década, as suas populações tenham sofrido um decréscimo de cerca de 40%.

Em Portugal, os conservacionistas alertam que “está a desaparecer a um ritmo galopante”.

 

Saiba mais.

Pode seguir aqui as viagens migratórias desta e de outras rola-bravas.

Descubra aqui o que estes dois casais ingleses estão a fazer para ajudar a melhorar o habitat das rolas-bravas.