Que espécie é esta: aranha-dos-troncos-grande

O leitor José Brée encontrou esta aranha em Oeiras, Barcarena, a 7 de Fevereiro, e pediu ajuda para saber qual a espécie. Sérgio Henriques responde.

“Encontrei esta aranha já por várias vezes aqui em casa e no exterior. Podem ajudar-me? O que devo fazer?”, escreveu o leitor à Wilder.

 

Trata-se de uma aranha-dos-troncos-grande (Zoropsis spinimana).

Espécie identificada por: Sérgio Henriques, líder do grupo de especialistas em aranhas e escorpiões da UICN (União Internacional para a Conservação da Natureza) e especialista da Sociedade Zoológica de Londres.

Esta é uma aranha bastante grande para o tamanho médio da nossa aracnofauna e pode, por vezes, ser bastante colorida com tons laranja-ferrugem. 

É um animal grande, colorido e comum em casas.

Costuma ser mais avistada em garagens e barracões no Inverno, quando fica mais frio e as nossas infrastrutura são abrigos com muito bom aspecto para uma pobre criatura com frio.

Estas espécies são sobretudo nocturnas e passam grande parte do seu tempo num casulo de seda branca e macia, que se assemelha a algodão doce. Os seus abrigos e ninhos são normalmente feitos em cascas de árvore, escarpas rochosas ou debaixo de pedras. Mas um muro de pedra também faz um bom lar, e se não houver nenhum à mão, uma vedação de ferro com um portão ou also parecido também pode servir. São animais bastante adaptáveis.

Embora o seu tamanho lhe permita perfurar a pele humana (algo que poucas aranhas conseguem fazer), raramente o faz, e se for obrigada a isso, a sua mordedura não é perigosa.

O que se deve fazer, é nada 🙂 Se algo tem mesmo de ser feito, o ideal é mudar o animal para uma garagem ou barracão na área. Ou se isso não for possível, soltar lá fora, de preferência quando não estiver muito frio.


Agora é a sua vez.

Encontrou um animal ou planta que não sabe a que espécie pertence? Envie-nos para o nosso email a fotografia, a data e o local. Trabalhamos com uma equipa de especialistas que o vão ajudar.

Explore a série “Que espécie é esta?” e descubra quais as espécies que já foram identificadas, com a ajuda dos especialistas.


Já que está aqui…

Apoie o projecto de jornalismo de natureza da Wilder com o calendário para 2021 dedicado às aves selvagens dos nossos jardins.

Com a ajuda das ilustrações de Marco Nunes Correia, poderá identificar as aves mais comuns nos jardins portugueses. O calendário Wilder de 2021 tem assinalados os dias mais importantes para a natureza e biodiversidade, em Portugal e no mundo. É impresso na vila da Benedita, no centro do país, em papel reciclado.

Marco Nunes Correia é ilustrador científico, especializado no desenho de aves. Tem em mãos dois guias de aves selvagens e é professor de desenho e ilustração.

O calendário pode ser encomendado aqui.