Fotos: Cristiana Rocha

Que espécie é esta: Silene marizii

Naturalistas locais

A leitora Cristiana Rocha fotografou uma planta silvestre numa montanha, em São Cosme do Vale (Vila Nova de Famalicão) e pediu ajuda para saber a espécie. O investigador Filipe Covelo responde.

 

Tudo indica que a planta encontrada por Cristiana Rocha é da espécie Silene marizii, uma planta nativa em Portugal, onde não lhe são conhecidos nomes comuns.

 

planta de flores rosa e brancas

 

Espécie identificada e texto por: Filipe Covelo, colaborador do Jardim Botânico e do Herbário da Universidade de Coimbra (UC), no âmbito do projecto PRISC (Portuguese Research Infrastructure of Scientific Collections). O Jardim Botânico da UC tem a decorrer um projecto de consultas botânicas para o qual pode enviar as perguntas e dúvidas que tiver sobre plantas (consultorio.botanico@uc.pt).

Foi pela primeira vez descrita pelo botânico português Gonçalo Sampaio, em 1909.

Esta planta é também endémica da Península Ibérica, ou seja, nasce naturalmente apenas neste território. Em Portugal, os registos do portal Flora-On indicam que está presente apenas no Norte do país, em terrenos com “escarpas, fendas e plataformas terrosas de afloramentos rochosos de granito” e também em “taludes pedregosos”.

 

planta com flor branca e rosa

Silene marizii. Fotos: Cristiana Rocha

 

As Silene marizii fazem parte do grupo das dióicas, ao qual pertencem apenas seis por cento de todas as espécies de plantas. Ou seja, dividem-se em masculinas e femininas, ao contrário da maioria, que são hermafroditas.

Agora é a sua vez.

Encontrou um animal ou planta que não sabe a que espécie pertence? Envie-nos para o nosso email a fotografia, a data e o local. No caso de ser uma planta, capte também imagens de pormenores: frutos, flores e folhas, mesmo que secas. Trabalhamos com uma equipa de especialistas que o vão ajudar.

Precisamos de pedir-lhe um pequeno favor…

Se gosta daquilo que fazemos, agora já pode ajudar a Wilder. Adquira a ilustração “Menina observadora de aves” e contribua para o jornalismo de natureza. Saiba como aqui.