Fotos: Jardim Gulbenkian

Plantas e árvores em flor para descobrir no Jardim Gulbenkian

Um naturalista no Jardim Gulbenkian

Nesta altura do ano são muitas as espécies de plantas em flor. Aqui ficam nove sugestões para descobrir no Jardim Gulbenkian, em Lisboa, para reconhecer e dar-lhes um nome sempre que as avistar.

 

Mais de 200 das cerca de 400.000 espécies de plantas conhecidas em todo o mundo estão no Jardim Gulbenkian. Ao percorrer os 7,5 hectares deste espaço verde, pode encontrar 94 espécies de arbustos, 84 árvores, 80 herbáceas e ainda 15 trepadeiras. Muitas estão em flor, o que torna ainda mais agradável uma caminhada de olhos bem atentos à vegetação do Jardim. Aqui ficam nove flores para descobrir.

 

Pervincas (Vinca difformis):

 

 

Esta é uma planta com muitos nomes. Em Portugal também é conhecida por ervas-da-inveja ou congorças, por exemplo. As pervincas preferem os bosques, onde se dão melhor em locais abrigados do sol e com humidade. É entre Janeiro e finais de Maio que podemos apreciar as flores azuis desta espécie originária do Sudoeste da Europa e do Norte de África.

 

Alhinhos (Allium triquetrum):

 

 

Chamam-lhe alho-bravo. Esta planta de aspecto delicado, originária da região do Mediterrâneo, ocorre em clareiras de pinhais ou carvalhais, nas margens de rios, bermas de estrada, em locais húmidos e sombrios. Pode encontrá-la em flor entre os meses de Fevereiro e Abril.

 

Margaridas (Bellis perennis):

 

 

Ícones da primavera, as margaridas babitam em prados, clareiras de matos e matas, caminhos e em terrenos incultos e pousios e gostam de humidade. As pequenas flores das margaridas podem observar-se de Janeiro a Julho e em muitos locais fazem parte da paisagem. Esta planta autóctone em Portugal Continental (ocorre naturalmente no território) pode ser facilmente confundida com outra espécie do jardim, também chamada de margarida ou então margacinha, mas originária da América Central: a Erigiron karwinskianus. Esta última tem as flores mais pequenas e com um leve tom rosado.

 

Massaroco (Echium candicans):

 

 

Com os seus cones cobertos de pequeninas flores roxas, o massaroco é um arbusto originário da Madeira, onde é mais comum observá-lo nos pontos mais altos da ilha. É uma espécie protegida na União Europeia. Costuma florescer entre Abril e Agosto.

 

Pilriteiro (Crataegus monogyna):

 

 

Nas primeiras semanas de Primavera este arbusto ou pequena árvore  enche-se de pequeninas flores brancas ou em tons rosa. Mas são dias que acabam depressa, pois só duram entre Abril e Maio. É uma espécie espontânea da Europa que gosta de sítios húmidos e sombrios. Para o distinguir de outros arbustos com flor semelhante, tenha atenção ao recorte das folhas. O pilriteiro pertence a um conjunto de espécies primitivas que podem ser vistas no Jardim, tal como o azereiro, o loureiro, o zambujeiro, a azinheira, o sobreiro, carvalhos, alfarrobeira e freixo de folha estreita.

 

Loureiro-cerejeiro (Prunus laurocerasus):

 

 

Também chamada loiro-inglês ou loureiro-romano, entre vários nomes, esta árvore ou arbusto grande pode ver-se em diferentes zonas do Jardim, ornamentada com cachos de pequenas flores brancas entre Abril e Junho. Trata-se de uma espécie originária da Ásia Menor e do Sudeste da Europa.

 

Olaia (Cercis siliquastrum):

 

 

Também apelidada de árvore-do-amor ou árvore-de Judas, pois a lenda diz que foi nesta árvore que Judas Iscariotes se terá enforcado, a olaia tem origem na região do Mediterrâneo Oriental. É mais fácil de identificar entre Março e Junho, quando se enche de cachos de vistosas flores em tons rosados, que nascem antes das folhas, formando-se algumas também no tronco.

 

Tojo (Ulex europaeus):

 

 

São várias as espécies de tojo, todas elas do género Ulex. No caso do Ulex europaeus, que pode observar no Jardim, este arbusto espinhoso é originário da Península Ibérica. Em Portugal, pode encontrá-lo em muitos locais variados, incluindo orlas de bosques, taludes de estradas e campos agrícolas abandonados. As pequenas flores amarelas do tojo são mais comuns nos primeiros meses do ano, até meados de Maio, e também em Outubro e Novembro.

 

Lírio-amarelo-dos-pântanos (Iris pseucadorus):

 

 

O nome faz justiça a este lírio, que gosta da companhia da água e pode ver-se nas margens de rios e ribeiras, em valas, arrozais e outras zonas húmidas. Costuma florescer desde o final de Março até aos últimos dias de Junho, acompanhando a Primavera. Pelo Jardim pode encontrar ainda outras espécies de lírios, como o roxo Iris xiphium.

 

Para aprender mais sobre estas e outras espécies de flora, pode ler o livro “Flora do Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian”, da autoria de Raimundo Quintal, e explorar o portal Flora-On, da Sociedade Portuguesa de Botânica.

 

Agora é a sua vez.

Quantas destas sugestões consegue descobrir? O seu desafio é fotografar ou desenhar o maior número de elementos que encontrar. Partilhe as suas imagens enviando-as para jardim@gulbenkian.pt. A Wilder publicará as melhores.

 

Ao longo do ano, a cada mês, a revista Wilder sugere-lhe a natureza que não pode perder no Jardim Gulbenkian.