Foto: Luís Afonso

Foto do português Luís Afonso vence etapa internacional do concurso Wiki Loves Earth

Início

Imagem captada na Praia do Abano, no Parque Natural de Sintra-Cascais, ganhou o primeiro lugar na categoria de Paisagem.

Esta é a quarta edição da competição Wiki Loves Earth em que Portugal entra e a primeira vez que uma foto do país ganha a etapa internacional deste concurso organizado pelo Movimento Wikimedia – que inclui a Wikipédia e o Wikimedia Commons -, que se realizou desta vez com concorrentes de 34 países e territórios.

“O primeiro lugar da categoria de Paisagem dá-nos um vislumbre do fantástica costa oceânica no Parque Natural de Sintra-Cascais, em Portugal”, explica a organização do concurso, em comunicado. “É um de 13 parques naturais em Portugal e cobre uma grande área de aproximadamente 145 quilómetros quadrados. O parque inclui o maciço montanhoso da Serra de Sintra e estende-se por todo o território até à costa e ao Cabo da Roca, o ponto mais ocidental da Europa.”

Luís Afonso é um fotógrafo profissional que se dedica principalmente à paisagem e ao mundo natural. É também um apaixonado por orquídeas silvestres e fez o registo fotográfico das plantas conhecidas deste grupo que se encontram no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros – ao todo, retratou cerca de 40 orquídeas diferentes, incluindo híbridos e variações de cor.

Quanto à fotografia vencedora no concurso, foi captada em Dezembro de 2007, há mais de 14 anos, no início do percurso de Luís Afonso como fotógrafo de paisagem natural, contou à Wilder.

Pôr-do-sol na Praia do Abano. Foto: Luís Afonso

“Nesses primeiros tempos, a costa do Parque Natural Sintra-Cascais era a minha ‘casa’. Devido à proximidade com o local onde vivo e à minha paixão pelo mar e pela fotografia costeira, as praias de Sintra e Cascais, nas quais se enquadra a do Abano, eram locais onde ia fotografar frequentemente.”

Por essa altura as praias da zona tinham poucos visitantes fora da época balnear, “algo impensável nos dias que correm”. No dia em que tirou a fotografia, aliás, tinha toda a praia apenas para si.

Agora, pelo contrário, “esses espaços estão a degradar-se” e “há poucos esforços de conservação” desses locais do litoral, “tão fortemente pressionados pela presença das pessoas”. Não admira que a última vez que o fotógrafo português esteve a fotografar no Abano tenha sido em Setembro de 2015.

Ainda assim, a pressão humana nesta e noutras praias do Parque Natural de Sintra-Cascais não impedem que lhes teça fortes elogios. “As praias da zona são belíssimas, das mais bonitas do país e da Europa, e são óptimas para serem exploradas com criatividade”, sublinhou o fotógrafo português, que adora a geologia destes locais.

“No Abano, esta rocha enorme que se encontra à beira da água sempre me fez lembrar uma pessoa com a cabeça deitada como um ser que medita sobre o estado de conservação destas zonas costeiras.” Receber agora o prémio levou Luís Afonso a “querer voltar a este local e talvez aproveite este Inverno para o fazer.”

Rocha à beira da água na Praia do Abano. Foto: Luís Afonso

Sensibilizado pelo apelo da Wiki Commons

Quanto à participação no concurso, não é muito de entrar em competições nem de submeter fotografas para bancos de imagens gratuitas. “Acho que o trabalho dos fotógrafos deve ser reconhecido, tanto artística como financeiramente, e por isso sempre tive um pé atrás para submeter imagens nestas condições.”

No entanto, este ano Luís Afonso ficou sensibilizado pelo apelo da Wiki Commons e por isso resolveu participar: “Sou um adepto do ‘conhecer para preservar’ e acho genuinamente que só lutamos por proteger aquilo que amamos e por isso este ano decidi ‘doar’ algumas boas fotografias para este propósito.”

Ao contrário dos jardins e dos animais de estimação, os parques naturais “não têm quem cuide deles da mesma forma” e a flora e a vida selvagem “não têm quem olhe por elas.” “A minha forma de ajudar nesta consciencialização é mostrar estes locais e estes seres vivos da maneira mais nobre e mais bonita possível no intuito de que as pessoas se apaixonem por eles e se sintam compelidos em preservá-los.”

Além de participar no concurso, o fotógrafo português doou “mais de duas dezenas de imagens” que considera boas à plataforma Wikimedia Commons, onde passam a estar acessíveis de forma gratuita para qualquer pessoa interessada.

O concurso avaliou um total de 64.000 fotografias em áreas e monumentos naturais, tiradas por 4.300 pessoas, que passaram a estar disponíveis de forma gratuita na Wikimedia Commons. Dessas, cada um dos países participantes seleccionou depois 15 imagens que passaram à fase internacional, que recebeu um total de 390 fotografias. Finalmente, o júri dessa etapa seleccionou as 15 fotos que saíram vencedoras da parte final da competição.

Além da categoria de Paisagem, na qual o primeiro lugar é ocupado por Luís Afonso, a competição deste ano incluiu a categoria macro/close-up (animais, plantas, fungos).

Caracol da espécie Arianta arbustorum num dente-de-leão, na Rússia. Foto: Мария Обидина

O início do concurso Wiki Loves Earth aconteceu em 2014. E embora Portugal tenha participado pela quarta vez, esta é já a oitava edição.

Inês Sequeira

A minha descoberta do mundo começou nas páginas dos livros. Desde que aprendi a ler, devorava tudo o que eram livros e enciclopédias em casa. Mais tarde, nos jornais, as minhas notícias preferidas eram as que explicavam e enquadravam acontecimentos que de outra forma seriam compreendidos apenas pelos especialistas. E foi com essa ânsia de aprender e de “traduzir” o mundo que me formei como jornalista. Comecei em 1998 na área de Economia do PÚBLICO, onde estive 14 anos a escrever sobre transportes, aviação, energia, entre outros temas. Fui também colaboradora do Jornal de Negócios e da agência Lusa. Juntamente com a Helena Geraldes e a Joana Bourgard, ajudei em 2015 a fundar a Wilder, onde finalmente me sinto como “peixe na água” e trabalho para um mundo melhor. Aqui escrevo sobre plantas, animais, espécies comuns e raras, descobertas científicas, projectos de conservação, políticas ambientais e pessoas apaixonadas por natureza. Aprendo e partilho algo novo todos os dias.