Artigos deInês Sequeira

No Algarve, já foram devolvidos à natureza mais de 200 animais em dois meses

Naturalistas

Em Junho e Julho regressaram à natureza 202 animais selvagens tratados no Rias (Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens), em Olhão. Desde Janeiro, já ali tinham dado entrada 1.110 animais, um número recorde que inclui águias, corujas, ouriços-cacheiros e mesmo uma lontra, e que até pode ser um bom sinal, como explicou à Wilder Sofia Costa, colaboradora deste centro.

CERVAS vai libertar mais de 50 aves selvagens no mês de Julho

Conservação

O CERVAS (Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens), em Gouveia, prepara-se para devolver à natureza 55 aves selvagens que ali entraram com vários problemas. Corujas-das-torres, águias-d’asa-redonda e piscos-de-peito-ruivo são algumas das espécies que vão ser libertadas, ao longo das próximas semanas.

Colónia de abelharucos paralisa obra em Sevilha

Os trabalhos para a descontaminação e limpeza de um terreno em Sevilha, Espanha, foram suspensos devido à presença de uma colónia de abelharucos (Merops apiaster) na zona, que nesta altura estão a criar as aves nascidas este ano.   Um habitante próximo do local das obras, na área sul de Sevilha, telefonou para o número

Vai nascer um festival de natureza ibérico em Miranda do Douro

Para fazer

Caminhadas a ver grifos, águias e outras aves de rapina, passeios de canoa no meio do Douro, ver de perto o burro mirandês. Estes são alguns dos pontos altos do ObservArribas – Festival Ibérico de Natureza das Arribas do Douro, que acontece entre 23 e 25 de Junho. A Wilder falou com os organizadores e conta-lhe o que vai poder ver.

Cinco factos que desconhecíamos sobre a Área Marinha Protegida das Avencas

Ciência

Desde 2009 que a zona entre marés na zona das Avencas, Cascais, é monitorizada de 15 em 15 dias, sem falha, por investigadores do MARE-ISPA (Centro de Ciências do Mar e do Ambiente). Frederico Almada e Joana Robalo, que lideram o projecto, falaram à Wilder sobre as descobertas que têm feito na zona que está agora classificada como Área Marinha Protegida das Avencas, entre as praias de São Pedro do Estoril e da Parede.

À procura de lixo marinho e de outras surpresas no Tejo

Naturalistas

A Wilder embarcou num semi-rígido numa acção com professores, o Oceanário de Lisboa e a Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental, e foi saber por onde andam o lixo marinho e os plásticos no rio Tejo e nos oceanos.     “Nunca vi nada assim”. Hilda Pablo observa a rede que tinha