Dois corvos-comuns (Corvus corax). Foto: Wing-Chi Poo / Wiki Commons

Um mês depois, estas aves ainda recordam quem as enganou

Ciência

Investigadores da Áustria e da Suécia fizeram uma experiência com corvos (Corvus corax) e descobriram que os animais desta espécie podem recordar-se de quem os ludibriou durante várias semanas, pelo menos até um mês depois do acontecimento.

 

O estudo tentou perceber até que ponto os corvos são capazes de entender diferentes comportamentos negativos praticados por pessoas distintas e se conseguem reagir, e por quanto tempo, explica uma notícia na Phys.org.

Primeiro, os cientistas ensinaram sete corvos a trocar petiscos por petiscos de que gostavam ainda mais. A cada um era oferecido um pedaço de pão, que estas aves gostam de comer. Mas depois, cada corvo tinha oportunidade de trocar o seu pão por um pouco de queijo, muito apreciado pela espécie.

Quando as aves já tinham adquirido essa rotina, e ofereciam o seu bocado de pão para obterem queijo, por vezes eram defraudadas. O humano a quem entregavam o pão ficava com esse alimento e comia o pedaço de queijo, tudo à frente do corvo.

 

um-ave-grande-preta-está-pousada-de-perfil-no-solo-castanho

Foto: Francesco Veronesi / Wiki Commons

 

Além dos sete corvos que participaram na experiência, outros dois foram colocados no mesmo espaço apenas para observarem o que se passava. E entre os humanos, apenas alguns enganavam as aves.

Passados apenas dois dias depois dos primeiros testes, os corvos preferiam trocar comida com quem não os tinha ludibriado, perceberam os cientistas. E um mês depois, apenas um dos sete corvos estava disposto a ‘negociar’ com alguém que o tinha enganado.

Já os dois animais que tinham ficado apenas a observar não mostraram qualquer preferência, mas quando foram testados aprenderam mais rapidamente qual era a estratégia de trocas.

Os resultados da investigação foram publicados na revista Animal Behaviour.

Segundo os cientistas, ao conseguirem distinguir e recordar quem os enganou, os corvos utilizam essas capacidades para se relacionarem com outras aves da mesma espécie, na natureza.

 

Saiba mais.

Descubra como é que os chapins-reais escolhem os vizinhos.